Jornal do Comércio >> Juros fecham entre estabilidade e queda, com Copom e otimismo com reformas

Os juros futuros fecharam entre a queda e a estabilidade nesta sexta-feira, refletindo os ajustes ao comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgado na quarta-feira, e também a expectativa de avanço nas reformas, em especial a da Previdência, após os últimos eventos do cenário político. No fim da sessão regular, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2018 fechou estável em 7,660%, assim como a taxa do DI janeiro de 2019 (649.315 contratos) terminou no mesmo patamar de ajuste da quarta-feira, a 7,62%, na máxima. A taxa do DI para janeiro de 2021 (12.865 contratos) caiu de 8,95% para 8,91% e a do DI para janeiro de 2023 (58.965 contratos), de 9,57% para 9,52%.

Os contratos de curto prazo ficaram estáveis uma vez que a expectativa de corte da Selic em 1 ponto porcentual, para 8,25%, já estava precificada nos ativos. As demais taxas a partir deste horizonte e, principalmente no miolo da curva, tiveram algum alívio ao longo da sessão, embora, no fechamento, a taxa do DI janeiro de 2019 tenha migrado para o ajuste de quarta-feira. No comunicado, o Copom endossa a percepção do mercado de que deve reduzir o ritmo de cortes da Selic nas próximas reuniões, mas de maneira gradual. Com isso, as apostas são de redução de 0,75 ponto e de 0,50 ponto na Selic, respectivamente, nos encontros de outubro e dezembro, com a taxa encerrando 2017 a 7%, de acordo com a precificação embutida na curva.

Ainda, os profissionais estão otimistas sobre a votação da reforma da Previdência ainda este ano. Além do episódio dos novos áudios divulgados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que levarão à revisão dos benefícios dos executivos da J&F, terem fortalecido politicamente o presidente Michel Temer, na visão dos agentes, o mercado repercute de forma positiva a declaração do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de que vai pautar a votação da reforma da Previdência em outubro, após a proposta de reforma política, dada ontem.

Adicionalmente, os agentes viram o depoimento do ex-ministro Antonio Palocci ao juiz Sérgio Moro, no qual afirmou que o ex-presidente Lula teria feito um “pacto de sangue” com a Odebrecht, como um fator de enfraquecimento de uma possível candidatura de Lula à Presidência. Consequentemente, um risco menor de uma guinada na condução da política econômica no futuro governo.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/584598-juros-fecham-entre-estabilidade-e-queda-com-copom-e-otimismo-com-reformas.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!