Jornal do Comércio >> Mercado futuro de juros se ajusta a Copom mais gradual em dia de agenda vazia

Após a confirmação de corte de um ponto porcentual da Selic, para 8,25%, na reunião do Copom de quarta-feira (6), o mercado de juros volta do feriado se ajustando à sinalização de redução do ritmo de afrouxamento monetário a partir de agora.

Segundo profissionais de renda fixa consultados pela Agência Estado após a decisão, essa reação, no entanto, tende a ser comedida, depois do rali de quarta-feira com o IPCA abaixo do esperado, e as taxas de curto e médio prazo podem ficar entre estabilidade e queda. Por causa do IPCA, porém, vários analistas começaram a cogitar o BC deixar em aberto a possibilidade de outro corte de 1 ponto.

A agenda no dia está esvaziada e tende a limitar a liquidez. No exterior, o dólar mostra fraqueza ante as principais rivais e sinais mistos ante as emergentes. Além disso, o mercado também digere o depoimento do ex-ministro Antonio Palocci incriminando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a prisão nesta manhã do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB). O pedido de prisão do Ministério Público Federal ocorreu após a Polícia Federal apreender, na terça-feira (5), R$ 51 milhões em espécie num bunker onde Geddel guardava a fortuna.

O comitê reduziu a Selic em um ponto porcentual, para 8,25%, como era esperado, para o menor patamar desde maio de 2013 (8,00%), e disse ser “adequada uma redução moderada na magnitude de flexibilização monetária” na próxima reunião em 24 e 25 de outubro. Para confirmar essa tendência de moderação dos cortes de juro, o BC cita ainda que “nessas mesmas condições, o Comitê antevê encerramento gradual do ciclo”.

Segundo o BC, a conjuntura econômica atual “prescreve política monetária estimulativa”, um tipo de avaliação inédita feita pelo BC. No documento, o Copom reafirma que “o processo de reformas e de ajustes necessários na economia brasileira contribui para a queda da sua taxa de juros estrutural”.

No documento, o BC também atualizou suas projeções para a inflação. No cenário de mercado – que utiliza expectativas para câmbio e juros do mercado financeiro -, o BC alterou sua projeção para o IPCA em 2017 de 3,6% para 3,3%. No caso de 2018, a expectativa subiu ligeiramente, de 4,3% para 4,4%.

O economista José Júlio Senna, ex-diretor do Banco Central (BC) e chefe de estudos monetários do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), disse ao Broadcast que o Copom caminha para cortar a Selic em 0,75 ponto porcentual na próxima reunião, prevista para o fim de outubro.

Já o economista do Banco Pine, Marco Caruso, avalia que o comunicado indica cortes de 0,75 ponto porcentual e 0,5 ponto porcentual nas duas próximas reuniões.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/584517-mercado-futuro-de-juros-se-ajusta-a-copom-mais-gradual-em-dia-de-agenda-vazia.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!