Valor >> Dólar recua para a menor cotação desde março

SÃO PAULO  –  O dólar terminou a sessão desta sexta-feira no menor nível desde março. A divisa americana acumula agora sete quedas consecutivas, que levaram a moeda abaixo do nível de R$ 3,10. O cenário eleitoral do ano que vem e as perspectivas para o avanço da agenda de reformas, um pouco mais positivos na avaliação do mercado, contribuem para o ambiente de negócios. Os investidores, entretanto, não dispensam a cautela.

Nesta sexta-feira, o dólar comercial terminou a sessão em baixa de 0,24%, cotado a R$ 3,0945. Este é o menor nível de fechamento desde 21 de março quando encerrou o dia em R$ 3,0896. Na semana, a baixa acumulada foi de 1,67%, a maior queda em dois meses, superada apenas pela baixa de 2,98% em meados de julho.

Numa lista de 33 divisas globais, o real ficou entre os 7 melhores desempenhos semanais. A valorização do câmbio doméstico foi mais acentuado que dos principais emergentes (peso mexicano, rublo russo, lira turca e rand sul-africano). Hoje, por causa do feriado do Dia da Independência, o mercado local também se ajustou à queda global da divisa americana na véspera.

Cabe destacar ainda que divisa americana soma por aqui sete baixas seguidas, período em que perdeu 2,15% para o real. Nos últimos meses, a baixa sequencial só é superada pela série de 10 quedas em meados de julho, quando caiu 5,28%.

O avanço da reforma da Previdência ainda é vista como tema delicado, mas aumenta gradualmente a expectativa de que parte da proposta ainda pode ser aprovada antes da chegada de um novo governo em 2019.

Parte dessa leitura é atribuída à diminuição da percepção de risco sobre uma eventual denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer. Isso porque as investigações da PGR sobre irregularidades no acordo de delação premiada com os empresários da JBS poderia afetar a credibilidade das provas usadas contra o peemedebista.

As ofensivas contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, considerado contrário a reformas, vão na mesma direção. Nesse fronte, entram as informações oferecidas pelo ex-ministro Antonio Palocci e as iniciativas da PGR contra o petista. “Diminuiu a pressão sobre o governo Temer e aumentou no Lula. Para o mercado, isso significa que o cenário está mais favorável às reformas”, diz um operador de renda fixa.

Por ora, a prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) deixa o mercado com “um pé atrás”, mas não gera alarmismo. “O Geddel já foi preso uma vez e o mercado soube digerir bem. Mesmo com eventos extremos, o Planalto manteve a governabilidade”, acrescenta.

O UBS ressalta que, entre os riscos para suas projeções, estão a crise política e o andamento das reformas. O banco suíço não trabalha com a aprovação da reforma da Previdência.

Por outro lado, os indicadores de atividade apontam para “uma retomada sólida da economia brasileira, maior estímulo por parte do banco central e potenciais surpresas no processo de reformas”. Agora, a previsão do banco para o dólar daqui a três meses passou de R$ 3,25 para R$ 3,10. Em seis meses, mudou de R$ 3,15 para R$ 3,00. E em 12 meses foi de R$ 3,05 para R$ 2,90.

Fonte Oficial: http://www.valor.com.br/financas/5112534/dolar-recua-para-menor-cotacao-desde-marco.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!