Jornal do Comércio >> Cibersegurança das empresas ‘esquece’ usuário, diz estudo

As políticas de segurança da informação adotadas por grandes empresas negligenciam a principal fonte de risco aos sistemas de tecnologia: os próprios usuários, mostra estudo da Flipside, empresa responsável por eventos de cibersegurança.

A pesquisa mostra que 27% das violações de segurança são causadas por falha humana. “Na prática, a gente acaba vendo que o usuário é o elo mais fraco”, diz Anderson Ramos, diretor da companhia.

“Eles são o ponto de partida para ataques mais sofisticados. Se você compromete a máquina da secretária do presidente, por exemplo, o impacto pode ser até maior do que comprometer o computador do próprio presidente.”

O estudo da Flipside foi realizado com 178 profissionais que tomam decisões de segurança digital em empresas de diferentes setores e indústrias. A pesquisa mostra que o percentual de funcionários que possuem um compromisso “completo” com a política de segurança do seu local de trabalho caiu de 31,7% em 2016 para 23,5% em 2017.

O cenário é de crescimento dos ataques, apesar da alta no investimento em segurança digital. Estudo de Fabiano Vallesi, analista do banco Julius Baer, indica que 100% das companhias americanas sofreram ataques via vírus, trojans e worms (programa malicioso que se espalha pela rede) em 2015. A instituição calcula que os gastos com cibersegurança cresçam ao ritmo de 7,5% por ano até 2020, para US$ 114 bilhões.

Segundo pesquisa da Allianz, crimes cibernéticos custam US$ 445 bilhões à economia global todos os anos. No Brasil, estudo do Instituto Ponemon, financiado pela IBM, mostra que os gastos médios totais com vazamento de dados neste ano serão de R$ 4,7 milhões, alta de 9,5% em relação a 2016.

 

Fonte Oficial: https://worldcambio.com.br/wp-content/uploads/2017/09/jornal-do-comercio-ciberseguranca-das-empresas-esquece-usuario-diz-estudo.br_conteudo/2017/09/economia/585148-ciberseguranca-das-empresas-esquece-usuario-diz-estudo.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!