Jornal do Comércio >> Dólar avança com exterior, mas perspectiva de fortalecimento do governo continua

O dólar fechou em alta nesta quarta-feira (13), seguindo o comportamento da divisa no exterior e alguma cautela interna, embora tenha desacelerado os ganhos à tarde em meio a uma continuidade na perspectiva de fortalecimento do governo. Especialistas do mercado salientaram ainda um tom positivo em relação à expectativa de que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, seja candidato a presidente nas eleições de 2018.

Um gerente de mesa de derivativos apontou que a interpretação do mercado de que o presidente Michel Temer saiu fortalecido após os últimos áudios envolvendo os executivos da J&F – conhecidos no dia 4 de setembro e que levaram à prisão do empresário Joesley Batista – continua contribuindo para a percepção de retomada das reformas, principalmente a da Previdência.

Segundo ele, as novas acusações contra Temer tiveram efeito nulo no mercado “porque até serem levadas para votação no Senado e serem provadas pode demorar e a votação da reforma da Previdência deve vir antes”, pontuou o gerente. Foi divulgado hoje que o corretor Lúcio Bolonha Funaro disse, em seu acordo de colaboração premiada, que o presidente Temer dividiu com Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), ex-homem forte de seu governo, propina da Odebrecht.

De acordo com o diretor de câmbio da Abrão Filho, Fernando Oliveira, contribuiu para uma desaceleração do dólar o fato de o líder do PSD na Câmara, Marcos Montes (MG), dizer que a legenda convidou o ministro da Fazenda para ser candidato à Presidência em 2018.

“Embora Meirelles tenha negado, o mercado tem estimado que sua candidatura tem ganhado força. Ainda é muito cedo para um anúncio, uma vez que abre espaço para críticas”, explicou o diretor. De acordo com profissionais do mercado, o fato de Meirelles ter negado pode estar relacionado à intenção de não tirar o foco da votação da reforma da Previdência que, segundo o ministro, deve acontecer em outubro.

A moeda americana operou em alta praticamente todo o dia. A força maior veio do exterior depois que o presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Paul Ryan, disse que a apresentação do projeto de reforma tributária deve ocorrer em 25 de setembro

Ainda assim, cautela com o cenário interno prevalece e o patamar de R$ 3,13 é considerado confortável para casos de reviravoltas. Durante todo o dia, esteve no radar do mercado, ainda que em segundo plano, o depoimento do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva ao juiz federal Sergio Moro.

No mercado à vista, o dólar fechou em alta de 0,35%, aos R$ 3,1385. O giro financeiro somou US$ 1,46 bilhão. Na mínima, a moeda ficou em R$ 3,1230 (-0,14%) e, na máxima, aos R$ 3,1426 (+0,47%).

No mercado futuro, o dólar para outubro subiu 0,32%, aos R$ 3,1415. O volume financeiro movimentado somou US$ 14,18 bilhões. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,1285 (-0,09%) a R$ 3,1490 (+0,55%).

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/585458-dolar-avanca-com-exterior-mas-perspectiva-de-fortalecimento-do-governo-continua.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!