Jornal do Comércio >> Exportação agropecuária gaúcha cai 10% em valor

Adriana Lampert

Apesar de ter aumentado a participação em alguns mercados – com crescimento da venda de carne de frango para o Egito e carne suína para a Rússia – o agronegócio gaúcho deixou de enviar farelo de soja para a União Europeia e a Coreia do Sul, o que resultou em queda nas exportações de agosto. Principal produto comercializado para fora do País pelo Estado, a soja tem enfrentado pressão do preço em dólar, destaca o economista Sérgio Leusin Júnior, do Núcleo de Estudos do Agronegócio da Fundação de Economia e Estatística (FEE). A entidade divulgou ontem que as exportações do setor em agosto de 2017 totalizaram US$ 1,2 bilhão. Isso representa um recuo de 10% em valor frente ao mesmo período do ano passado. Também os índices de volume (-2,2%) e preços médios praticados (-8%) ficaram menores em comparação a agosto de 2016.

Em termos absolutos, a redução nas exportações foi de US$ 129 milhões. No acumulado do ano, as vendas representaram US$ 7,4 bilhões. Dentre os setores e destinos que impactaram, Leusin destaca que os Estados Unidos apresentaram uma maior oferta de oleaginosas, graças a boa safra no segundo e terceiro trimestres deste ano. “Os importadores estão escolhendo players com melhores preços”, explica o economista, ao ressaltar que além da competitividade norte-americana, também a questão cambial influenciou. “O que a gente percebe é que o valor da soja tem diminuído em reais, o que acaba fazendo com que os produtores fiquem reticentes em relação à venda ao exterior.”

Vendida principalmente em grão para a China, a soja também teve as exportações afetadas principalmente pela queda no valor do farelo (-24% cumulativamente). “Este ano está havendo redução significativa de farelo de soja para a Coreia do Sul e a União Europeia”, comenta Leusin. Outro produto que comprometeu as exportações no decorrer deste ano foi o fumo. O economista da FEE explica que a safra menor de 2016, está sendo vendida agora, e que a produção de 2017 ainda não chegou à indústria. “Esse ano a safra gaúcha de fumo cresceu, mas as exportações ainda não estão ocorrendo, porque demora para o produto ser beneficiado.” De acordo com a FEE, o fumo teve queda de 18,7% em volume e de 16% em valor, mantendo estabilidade nos preços. Este produto representou 10% da pauta de exportação do Rio Grande do Sul de janeiro a agosto, enquanto a soja foi responsável por 51,1% de tudo que foi embarcado pelo setor até o mês passado.

“Outro setor que tem impactado é o de produtos florestais, relacionados a problemas na Celulose Rio-grandense, que passou por uma explosão na caldeira em fevereiro e anunciou uma paralisação programada da produção, de agosto até novembro, o que vai impactar até o final do ano de forma significativa”, comenta Leusin. A queda acumulada de produtos florestais de janeiro a agosto é de 26% em volume e de 22,5% em valor. Na contramão da tendência geral, o setor que apresentou maior elevação no valor exportado em agosto de 2017 foi o de carnes, com acréscimo de US$ 12,3 milhões (alta de 7,3% em valor e de 9,3% em volume). O crescimento das exportações de carnes deve-se principalmente às vendas de carne suína (15,7% em valor e 6,3% em volume), tendo a Rússia e Hong Kong como destinos que mais cresceram no segmento. 

Segundo o economista da FEE, a gripe aviária que vem abalando o setor de frangos, diminuindo a oferta em vários países, e o embargo que a Rússia está sofrendo da Europa e EUA, são responsáveis pelo aumento das exportações do produto pelo Rio Grande do Sul. “Também houve crescimento das exportações de frango para o Egito.” Ainda de acordo com o estudo da entidade, os cinco principais setores exportadores do agronegócio em agosto de 2017 foram: complexo soja (US$ 651,8 milhões), carnes (US$ 181,8 milhões), fumo e seus produtos (US$ 158,8 milhões), produtos florestais (US$ 42,0 milhões) e couros e peleteria (US$ 32,2 milhões).

O segundo maior crescimento nas exportações do agronegócio ocorreu no setor de cereais farinhas e preparações, “movimento explicado pela elevação expressiva nas vendas de arroz (66,1% em valor e 130,0% em volume), sobretudo, para o Senegal”, pondera Leusin. Os principais destinos das exportações do agronegócio gaúcho foram: China (52,5%), União Europeia (13,0%), Estados Unidos (3,5%), Rússia (3,1%) e Coreia do Sul (2,7%). Esses destinos concentraram 74,8% do valor das vendas externas em agosto.

 

O Senado aprovou o projeto que institui um procedimento menos burocrático para a renegociação do crédito rural. De acordo com o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 354/2014, agricultores inadimplentes poderão renegociar suas dívidas de forma mais ágil, diretamente com as instituições financeiras que integram o Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR), como o Banco do Brasil. A proposta segue agora para votação na Câmara dos Deputados.

A autora, senadora Ana Amélia (PP-RS), afirma que muitos produtores rurais são levados a contrair novos empréstimos para quitar débitos anteriores, sendo frequente a necessidade de renegociação. Em muitos casos, segundo a senadora, a falta de ambiente para entendimento leva à judicialização dos conflitos relativos ao crédito rural, atrasando a solução e prejudicando a produção de alimentos.

Ela diz ainda que os problemas de endividamento dos produtores serão solucionados com mais agilidade e menor custo se as instituições financeiras forem incentivadas a promover acordos por meio de processos administrativos.

O texto define regras para esses acordos, como o estabelecimento de prazos. Para a conclusão de um processo de renegociação prevê até 180 dias, com a possibilidade de prorrogação por igual período, “mediante comprovada justificativa”.

Determina ainda que, após receber do agricultor o pedido de negociação da dívida, o banco terá até 60 dias para responder. Serão analisadas, entre outros aspectos, a proposta de quitação apresentada pelo credor e sua capacidade de cumprimento do novo acordo. O banco poderá pedir perícias técnicas e sugerir mudanças na proposta, caso o agricultor seja devedor de outros empréstimos rurais. Se aprovada, a proposta terá força de título extrajudicial. Se for indeferida ou rejeitada, o agricultor poderá reapresentá-la desde que haja mudança em alguns dos fatores que orientaram sua análise.

O PLS 354/2014 foi acatado pelos senadores com emenda do senador Waldemir Moka (PMDB-MS), que estabelece critérios específicos e indispensáveis, como comprovação de prejuízos e perdas, para a prorrogação de caráter obrigatório, ou seja, não haverá indeferimento se os pré-requisitos forem todos cumpridos, nem haverá necessidade de intervenção do Conselho Monetário Nacional (CMN).

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/585103-exportacao-agropecuaria-gaucha-cai-10-em-valor.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!