Jornal do Comércio >> Juros curtos fecham em queda com ata; longos têm leve alta com dólar e política

Os juros encerraram a terça-feira em baixa moderada nos vencimentos de curto e médio prazos, em reação à ata do Comitê de Política Monetária (Copom), e com viés de alta na ponta longa, refletindo a alta do dólar e o cenário político, atento ao noticiário que possa pesar contra o governo e, assim, atrapalhar o andamento da reforma da Previdência nesta retomada das discussões.

O cenário principal do mercado segue sendo o de que a esperada apresentação de uma nova denúncia contra Temer pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ainda esta semana chegará enfraquecida, mas, ainda assim, o investidor prefere aguardar antes de ampliar a exposição ao risco.

A denúncia teria por base as informações entregues pelo empresário Joesley Batista, da JBS. Mesmo porque, no período da tarde desta terça, o ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura de inquérito contra o presidente Michel Temer (PMDB). A investigação mira o Decreto dos Portos, que teria favorecido uma empresa do setor.

Logo após a informação, o dólar ampliou o avanço e passou a renovar máximas. Nos juros, as taxas longas acentuaram o viés de alta e também chegaram as máximas, mas na sequência já retornaram para mais perto dos ajustes. Nas ações, o Ibovespa reduziu os ganhos, abaixo do patamar dos 75 mil pontos. Às 16h30, o dólar à vista subia 0,81%, para R$ 3,1305, após bater máxima de R$ 3,1371.

Já a ata do Copom trouxe poucas novidades em relação ao conteúdo do comunicado divulgado após a reunião da semana passada, endossando a sinalização de que, caso o cenário básico do Copom evolua conforme esperado, uma redução no ritmo de corte, que foi de 1 ponto na semana passada, deve se mostrar adequada na próxima reunião. Com isso, a aposta majoritária precificada na curva a termo permanece sendo a de redução da Selic em 0,75 ponto e 0,50 ponto porcentual, nos encontros de outubro e dezembro.

No entanto, alguns analistas acreditam que a possibilidade de novo corte de 1 ponto não pode ser descartada. “O BC, embora tenha reforçado a sinalização de que cenário base contempla redução moderada no rito de cortes, deixou a porta aberta, preservando o grau de liberdade para volta a reduzir o juro em 1 pp, porque já foi surpreendido anteriormente”, disse o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

Ao final da sessão regular, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2018 (274.540 contratos) fechou com taxa em 7,645%, de 7,660% no ajuste de segunda-feira; o DI para janeiro de 2019 (401.610 contratos) tinha taxa de 7,64%, de 7,68% no ajuste anterior; a taxa do DI para janeiro de 2021 (204.710 contratos) subiu de 8,99% para 9,02%. A taxa do DI para janeiro de 2023 (52.365 contratos) terminou em 9,65%, de 9,61%.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/585118-juros-curtos-fecham-em-queda-com-ata-longos-tem-leve-alta-com-dolar-e-politica.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!