Jornal do Comércio >> Mercado de trabalho formal tem estagnação no Rio Grande do Sul

O mercado de trabalho formal do Rio Grande do Sul registrou saldo de apenas 262 novos empregos nos primeiros sete meses de 2017. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e constam na Carta de Conjuntura da Fundação de Economia e Estatística (FEE), lançada nesta quinta-feira (14).

Conforme análise do sociólogo da FEE Guilherme Xavier Sobrinho, a estagnação representa a incapacidade de reação do Estado diante da crise econômica. Em 2015, 103,3 mil postos de trabalho com registro formal foram eliminados. A redução de 3,3% interrompeu uma trajetória de mais de dez anos de crescimento, já que entre 2004 e 2014 o estoque de empregos formais do mercado gaúcho expandiu 916 mil postos de trabalho, segundo a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS).

Os dados mostram que houve expansão no número de vínculos de trabalho com remunerações nas faixas de 1,01 a 1,5 salários mínimos e de 0,5 salários mínimos. Em todas as demais faixas de salário, o contingente de pessoal formalmente empregado retraiu. De acordo a FEE, a retração maior nas faixas salarias mais elevadas, no entanto, independe do nível de instrução dos trabalhadores.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/585571-mercado-de-trabalho-formal-tem-estagnacao-no-rio-grande-do-sul.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!