Jornal do Comércio >> Brasil e Argentina discutem facilitação de comércio

Após a 5ª reunião da Comissão de Produção e Comércio entre Brasil e Argentina, o secretário de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), Abrão Neto, relatou que o encontro tratou de diversas questões de facilitação de comércio entre os dois países e sobre o Mercosul, incluindo o protocolo de compras governamentais no bloco.

“A previsão é de troca de ofertas já em setembro e o compromisso é de buscar a conclusão deste protocolo até o final do ano. Isso é importante porque o Mercosul também tem negociado este tema com a União Europeia”, afirmou Neto. “No caso brasileiro, as compras governamentais representam 15% do PIB”, acrescentou.

Segundo o secretário brasileiro, as compras de governos estaduais e de empresas estatais também estão na mesa de negociação, mas essa definição deve ocorrer apenas em outro momento. “Estamos interessados em um acordo profundo e ambicioso de compras públicas e estamos muito otimistas”, completou o secretário de Comércio do Ministério da Produção da Argentina, Miguel Braun.

Entre os temas abordados na reunião, Neto citou um trabalho que envolve o Banco Interamericano de Desenvolvimento para identificar gargalos e aproximar projetos de janelas únicas de comércio exterior em desenvolvimento nos dois países. “Também pretendemos eliminar até o fim de 2018 o certificado de origem de papel, substituindo-o integralmente pela documentação eletrônica”, afirmou.

Segundo Braun, o trabalho bilateral quer estimular que empresas brasileiras invistam “sem medo e trâmites excessivos” na Argentina, e vice-versa. Segundo ele, essa é a forma de se aproveitar o potencial produtivo conjunto dos países vizinhos.

“Estamos colocando o cimento de um edifício que será cada vez mais forte. Não é fácil sairmos juntos para negociar com outros países e blocos, não é simples simplificar o comércio no Mercosul para que as empresas pequenas possam vender dentro da região sem pagar altos custos”, completou.

Questionado sobre o aumento do déficit comercial argentino, Braun admitiu que houve um crescimento significativo das importações de produtos brasileiros, mas ressaltou que as vendas para o Brasil também aumentaram. “O aumento do déficit com o Brasil está em linha com o a evolução do câmbio e da conjuntura macroeconômica. Nosso objetivo é aumentar as vendas ao exterior e as empresas exportadoras, incluindo as vendas para o Brasil”, afirmou.

Braun também negou que o governo argentino planeje realizar uma reforma trabalhista a exemplo da brasileira. “A legislação trabalhista é uma discussão interna brasileira que repercute na Argentina, mas no curto prazo não há planos de se fazer uma reforma”, completou.

 

O presidente da Weg, Harry Schmelzer Júnior, acredita que políticas públicas de impulso à exportação seriam a melhor forma de estimular uma retomada da indústria brasileira e reduzir a capacidade produtiva ociosa. O executivo considerou que investimentos em infraestrutura são importantes, embora avalie que o impacto positivo na economia tenda a ocorrer de forma mais lenta.

“Tudo indica que a retomada vai ser lenta. Existe hoje uma expectativa de que a recuperação venha da infraestrutura, mas a indústria brasileira está muito ociosa, e o investimento em infraestrutura seria uma forma lenta demais de ocupar essa capacidade”, afirmou Schmelzer Júnior. “As empresas brasileiras precisam ser mais motivadas a exportar”, complementou.

O executivo considerou que o caso da Weg é relevante, por se tratar de uma empresa de bens de capital que tem hoje 57% de suas receitas vindas do exterior. “Mostra que, no Brasil, nós somos capazes de desenvolver tecnologia para exportação”, concluiu.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/585776-brasil-e-argentina-discutem-facilitacao-de-comercio.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!