Jornal do Comércio >> Dólar cai a R$ 3,11 com aposta de denúncia mais fraca contra Temer e fluxo

O dólar aprofundou as perdas ante o real nesta tarde de quinta-feira (14), e fechou no nível de R$ 3,11 diante da percepção de enfraquecimento da segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer. Ao mesmo tempo, movimentos técnicos contribuíram bastante para a movimento vendedor. No exterior, o dólar também perdeu força com novos desdobramentos envolvendo a Coreia do Norte, o que pressionou a moeda ante o real.

O mercado operou na expectativa com a segunda denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Temer por organização criminosa e obstrução de Justiça no caso envolvendo os executivos da J&F. Por volta das 17h30, a PGR protocolou a denúncia esperada.

As acusações contra o presidente têm como base delações dos executivos do grupo J&F, que entregaram à Procuradoria uma gravação de conversa com Temer no Palácio do Jaburu, e do operador Lúcio Funaro. Além disso, a denúncia utiliza os elementos colhidos pela Polícia Federal em investigação sobre o chamado “quadrilhão do PMDB da Câmara”.

Investidores apontaram que a denúncia só surpreenderia caso trouxesse alguma novidade, uma vez que grande parte do material já é conhecida.

A PGR protocolou também a rescisão do acordo de delação dos executivos do grupo J&F e revogou a imunidade penal concedida inicialmente a Joesley Batista, dono do grupo, e aos demais executivos da empresa.

Diante disso, o diretor da Correparti Corretora, Ricardo Gomes, apontou que a nova denúncia contra Temer segue fraca, uma vez que as provas só serão validadas pela Justiça quando Temer já não estiver na Presidência, o que não atrapalharia uma aprovação da reforma da Previdência ainda neste ano.

Além disso, movimentos técnicos também pressionaram a moeda americana para baixo. Gomes observou a entrada acentuada de fluxo de investidores chineses pela via financeira, enquanto outros profissionais de mercado chamaram atenção para uma zerada de posições em meio a especulações sobre o anúncio de swaps do Banco Central.

O operador da corretora Multimoney Durval Corrêa avaliou também que o dólar atingiu patamar alto (R$ 3,15 no intraday de hoje) e que a tendência é devolver, uma vez que o mercado passou a olhar com outros olhos os acontecimentos políticos. “Diante da fraqueza do mercado, os investidores tentaram se ajustar para abaixo da Ptax, que fechou acima de R$ 3,13”, acrescentou.

O movimento no exterior durante a tarde também contribuiu. Funcionários de Defesa do governo dos EUA disseram à rede de TV Fox News que a Coreia do Norte estaria se preparando para realizar um novo lançamento de mísseis. Diante disso, a busca por segurança aumentou – com destaque para o iene e euro -, o que levou a um enfraquecimento do dólar.

Voltando ao cenário interno, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) avançou 0,41% em julho ante junho, e ficou acima da mediana das estimativas colhidas pelo Projeções Broadcast, de +0,19%, o que contribuiu no bom humor.

No mercado à vista, o dólar fechou em baixa de 0,70%, aos R$ 3,1165. O giro financeiro somou US$ 1,99 bilhão. Na mínima, a moeda ficou em R$ 3,1125 (-0,83%) e, na máxima, aos R$ 3,1514 (+0,41%).

No mercado futuro, o dólar para outubro recuou 0,49%, aos R$ 3,1260. O volume financeiro movimentado somou US$ 19,06 bilhões. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,1195 (-0,70%) a R$ 3,1565 (+0,47%).

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/585759-dolar-cai-a-r-3-11-com-aposta-de-denuncia-mais-fraca-contra-temer-e-fluxo.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!