Jornal do Comércio >> Reformas podem elevarPIB potencial para 3,7%

Conjuntura


Notícia da edição impressa de 15/09/2017.
Alterada em 14/09 às 21h59min

Reformas podem elevarPIB potencial para 3,7%

Ministro da Fazenda está otimista com o desempenho econômico

JOSÉ CRUZ/JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC

Ainda na defesa das reformas estruturais, como a da Previdência e as microeconômicas, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que o Produto Interno Bruto (PIB) potencial do Brasil pode chegar a 3,7% nos próximos anos caso essas mudanças sejam realizadas.

Hoje, segundo ele, o PIB potencial aponta para um crescimento de 2%. Meirelles afirmou que a estimativa de PIB potencial de 3,7% com as reformas é conservador e que, num cenário otimista, esse crescimento pode chegar a 4,5%. “Se o Brasil entrar num ciclo virtuoso, com as reformas, numa hipótese otimista, o PIB potencial pode chegar a 4,3%, 4,5%.”

Segundo ele, as reformas microeconômicas vão ajudar a aumentar a produtividade. “O importante é que esse ciclo de crescimento seja longo e de menor volatilidade”, disse.

No discurso de abertura do Prêmio Empresas Mais, do Grupo Estado, o ministro da Fazenda voltou a afirmar a importância da reforma da Previdência para a economia brasileira. Segundo ele, somente o gasto com benefícios previdenciários vai corresponder a 80% do Orçamento, caso não haja mudanças nas regras da Previdência. Hoje, somente essa despesa representa cerca de 50% das despesas do governo.

Em termos de proporções do PIB, os gastos do governo vão alcançar 25% em 2026, ultrapassando o Teto de Gastos, caso a reforma não seja realizada, diz Meirelles. Por outro lado, se for aprovada, as despesas caem a 15% do PIB no mesmo ano, dos 20% que ocupam do PIB atualmente.

Ele voltou a dizer que o único País que tem idade média de aposentadoria menor que a do Brasil, que é de cerca de 59 anos, é Luxemburgo. E que até mesmo o México, país com situação econômica similar à brasileira, tem idade média de aposentadoria de 71 anos.

O ministro também ressaltou que o Brasil tem gasto com Previdência em relação ao PIB maior que a do Japão, que tem grande parcela da população idosa.

Meirelles afirmou que o governo trabalha para encaminhar ao Congresso a nova lei de recuperações judiciais até a próxima semana. “Estamos encaminhando para ser analisada pelos órgãos técnicos do governo para que isso possa ser encaminhado para o Congresso até a semana que vem”, afirmou.

Pelo projeto, as empresas falidas poderão tomar empréstimos com os credores. Aqueles que aceitarem liberar créditos ganham prioridade na fila de pagamentos.

Com a proposta, o governo tenta diminuir o prazo médio da recuperação judicial para um intervalo entre três e quatro anos. Dados da Serasa Experian mostram que, hoje, o processo demora quase cinco anos. Apenas uma em quatro empresas consegue efetivamente se recuperar.

Previsão de déficit do Governo Central piora para R$ 159 bilhões, mostra Prisma

Com a aprovação pelo Congresso das novas metas fiscais para 2017 e 2018 – ambas fixadas em déficits primários de R$ 159 bilhões -, as projeções para as contas públicas feitas pelos analistas de mercado ouvidos pelo Ministério da Fazenda no boletim Prisma Fiscal de setembro indicam que o governo conseguirá cumprir os objetivos. O documento foi divulgado nesta quinta-feira pela Secretaria de Política Econômica (SPE) da pasta.

A mediana das projeções do mercado para o déficit neste ano passou de R$ 154,841 bilhões para R$ 159,000 bilhões, exatamente na nova meta de saldo no vermelho de 2017. A meta anterior era de um rombo de R$ 139 bilhões.

Já para 2018, os analistas projetaram um déficit de R$ 156,341 bilhões, abaixo da meta de R$ 159 bilhões no negativo. No boletim de agosto – quando a meta para o próximo ano ainda era de déficit de R$ 129 bilhões – as previsões indicavam o saldo negativo de R$ 130,527 bilhões.

O Prisma deste mês voltou a revisar para baixo as previsões do mercado para a arrecadação das receitas federais. Em 2017, essa estimativa caiu de R$ 1,340 trilhão para R$ 1,337 trilhão. Para 2018, estimativa recuou de R$ 1,449 trilhão para R$ 1,440 trilhão.

A estimativa para a receita líquida do Governo Central neste ano também caiu de R$ 1,139 trilhão para R$ 1,134 trilhão, enquanto para o próximo ano passou de R$ 1,222 trilhão para R$ 1,210 trilhão.

Já pelo lado do gasto, a projeção de despesas totais do Governo Central neste ano caiu de R$ 1,293 trilhão para R$ 1,290 trilhão. Para 2018, a estimativa aumentou de R$ 1,357 trilhão para R$ 1,363 trilhão.

A mediana das projeções dos analistas do Prisma para a Dívida Bruta do Governo Geral ao fim de 2017 passou de 75,90% do Produto Interno Bruto (PIB) para 75,80% do PIB. Para 2018, a estimativa que estava em 79,06% do PIB em maio caiu para 78,82% do PIB no relatório desta quinta-feira.

O Prisma também atualizou as projeções fiscais neste e nos próximos dois meses. Para setembro, a estimativa de déficit primário passou de R$ 24,869 bilhões para R$ 23,907 bilhões.

Para outubro, a previsão de saldo negativo saltou de R$ 55 milhões para R$ 1,225 bilhão. Para novembro, a projeção de rombo passou de R$ 22,800 bilhões para R$ 20,004 bilhões.

IBC-Br sobe 0,41% em julho ante junho de 2017, com ajuste

Após avançar 0,55% em junho (dado já revisado), a economia brasileira registrou nova alta em julho de 2017. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) avançou 0,41% em julho ante junho, na série com ajuste sazonal. O índice de atividade calculado pelo BC passou de 135,06 pontos para 135,62 pontos na série dessazonalizada de junho para julho. Este é o maior patamar para o IBC-Br com ajuste desde dezembro de 2015 (136,7 pontos).

Na comparação entre os meses de julho de 2017 e julho de 2016, houve alta de 1,41% na série sem ajustes sazonais. Esta série encerrou com o IBC-Br em 137,84 pontos em julho, ante 135,92 pontos de junho deste ano e 134,28 pontos de julho do ano passado.

O IBC-Br acumulou alta de 0,14% em 2017 até julho. O percentual diz respeito à série sem ajustes sazonais. Pela mesma série, o IBC-Br apresenta recuo de 1,44% nos 12 meses encerrados em julho.

O índice teve alta de 0,22% no acumulado do trimestre encerrado em julho deste ano, ante os três meses anteriores, pela série ajustada do BC. Já na comparação do trimestre encerrado em julho deste ano com o mesmo período do ano passado, o IBC-Br avançou 0,91% pela série observada.

Como de costume, o Banco Central revisou dados do Índice de Atividade Econômica na margem, na série com ajuste. Em junho, o IBC-Br passou de 0,50% para 0,55%. Em maio, o índice foi de -0,37% para -0,28%. No caso de abril, o percentual permaneceu em 0,19%. O dado de março foi revisado de -0,48% para -0,41% e o de fevereiro foi de 1,42% para 1,44%. Em relação a janeiro, o BC substituiu a taxa de 0,54% pela de 0,52%.

Conhecido como prévia do BC para o Produto Interno Bruto (PIB), o IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. A previsão oficial do BC para a atividade doméstica em 2017 é de avanço de 0,5%. No Relatório de Mercado Focus publicado na última segunda-feira a mediana das estimativas do mercado para o PIB este ano está em 0,60%.

Indicador de atividade da Serasa inicia segundo semestre com alta de 0,3%

A economia brasileira iniciou o segundo semestre com crescimento, como mostra o Indicador Serasa Experian de Atividade Econômica (PIB Mensal). O índice cresceu 0,3% em julho na comparação com junho, com ajuste sazonal. Em relação ao sétimo mês de 2016, o aumento foi de 0,9%, sem ajuste. No acumulado de 2017, a atividade econômica teve expansão de 0,1%.

O resultado de julho mostra que a atividade prosseguiu em trajetória de recuperação no começo do segundo semestre, depois de crescer no primeiro e no segundo trimestres, conforme a Serasa.

“A inflação baixa e controlada, a continuidade da redução das taxas de juros, o início do processo de recuperação do emprego formal, bem como do mercado de crédito, especialmente para as pessoas físicas, são elementos que estão influenciando a retomada do crescimento econômico”, justificam, em nota, os economistas da instituição.

Sob a ótica da oferta, a indústria e o setor de serviços foram os responsáveis pelo avanço do indicador de atividade em julho. Conforme a Serasa, o segmento industrial cresceu 0,9%, enquanto o de serviços teve alta de 0,3%. Em contrapartida, o PIB da agropecuária cedeu 1,8% no sétimo mês do ano, depois de um primeiro semestre de “crescimento exuberante”.

Já do lado da demanda agregada, houve crescimento nas exportações (2,3%), nos investimentos (0,9%) e nas importações (0,1%). Na contramão, o consumo das famílias e do governo apresentaram quedas de 1,0% e de 0,5%, respectivamente.


Seja o primeiro a comentar esta notícia

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/585772-reformas-podem-elevarpib-potencial-para-3-7.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!