Valor >> Expectativa para taxa Selic apoia queda em DIs

SÃO PAULO  –  O comportamento das taxas reflete a percepção no mercado de que há condições para precificar uma taxa Selic ainda mais baixa. O movimento é justificado pelo ambiente benigno de inflação e uma cena política menos conturbada, além dos sinais de retomada do crescimento econômico.

No Boletim Focus, as projeções para o IPCA em 2017 caíram de 3,14% para 3,08% e recuaram de 4,15% para 4,12 em referência ao ano seguinte. “Como foi mais uma semana de redução da estimativa do IPCA, há respaldo do movimento de queda na curva de juros”, diz o trader de renda fixa Matheus Gallina, da Quantitas.

Nos preços de mercado, há sinais de redução do prêmio embutido no horizonte do atual ciclo de afrouxamento monetário. A diferença entre o DI janeiro de 2019 e o DI janeiro de 2018, por exemplo, marca -0,115 ponto percentual, ante -0,095 ponto no fim da tarde de sexta-feira (15). Se mantido até o fechamento, este será o valor mais baixo desde 8 de agosto quando registrava queda de 0,13 ponto.

Os analistas consultados no Boletim Focus mantiveram a projeção da Selic em 7% para este ano e cortaram a estimativa para 2018, de 7,25% para 7%. Já o grupo Top 5 manteve em 7% a projeção da Selic para este ano, mas subiu para 7,25% a estimativa para 2018.

Na próxima quinta-feira (21), o BC divulga o Relatório Trimestral de Inflação (RTI), com projeções de inflação até o final de 2020 e o IBGE informa o IPCA-15 de setembro. A expectativa no Bradesco é de variação de 0,16% no IPCA-15 de setembro.

“Embora no curtíssimo prazo a inflação siga favorável, é importante entender se para 2019 e 2020 a inflação também segue ancorada”, apontam os especialistas da Guide Investimentos.

O diretor de Política Econômica da autarquia, Carlos Viana, afirmou a economistas que o documento trará projeções para o IPCA até 2020. No último documento, de junho, o colegiado do BC apresentou estimativas do mercado contidas no Focus para o IPCA até 2020. Mas os prognósticos do próprio Comitê de Política Monetária (Copom) iam apenas até o período de quatro trimestres encerrado no segundo trimestre de 2019.

Por ora, o mercado avalia que o foco do Banco Central para a condução da política monetária reside, em boa parte, nas estimativas para o ano de 2018.

O economista Silvio Campos Neto, economista na Tendências, aponta que se as projeções estiverem perto da meta, o BC pode sancionar a percepção no mercado de que a taxa deve cair para níveis mais próximos de 7%. A leitura é de que o BC deve deixar a Selic um pouco abaixo do juro neutro antes ajustá-lo para cima em 2019 e voltar a nível mais condizente.

Um aperto monetário já em 2018, diz o economista, seria sinalizado no caso de um estimativa inflacionária bem acima da meta em 2019. O alvo é de 4,25% em 2019 e de 4,00% em 2020. “Se tiver um descolamento para cima, talvez para 4,6% ou 4,7% na projeção de 2019, pode abrir espaço para apostas de aumento no ano que vem”, diz. Mas o mais provável é que a projeção fique em 4,3% e 4,4%, “sem discrepância grande”. Com isso, o mercado pode apostar na recomposição só em 2019.

No fim do dia, às 17h33, o DI janeiro/2018 caía a 7,585% (7,605% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2019 recuava a 7,460% (7,520% no ajuste anterior).

O DI janeiro/2021 marcava 8,940% (8,970% no ajuste anterior).

Fonte Oficial: http://www.valor.com.br/financas/5123704/expectativa-para-taxa-selic-apoia-queda-em-dis.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!