Jornal do Comércio >> Dólar desacelera queda ante real após decisão do Fed, mas termina em baixa

O dólar desacelerou as perdas ante o real chegando a subir levemente, nesta quarta-feira (20), depois que o Federal Reserve (Fed) deixou em aberta a possibilidade de uma alta de juros nos Estados Unidos em dezembro. No entanto, a sinalização de fraqueza da inflação e o impacto dos furacões na economia norte-americana deixaram os investidores reticentes, o que levou a moeda americana a terminar em leve baixa.

O índice do Dólar (DXY) – que mensura a moeda americana ante seis moedas fortes – atingiu o nível mais alto desde meados de setembro diante de projeções para as taxa de juros do Fed que sugeriram mais um aperto monetário neste ano, com o Comitê Federal de Política Monetária (Fomc) deixando em aberto a possibilidade de ser em dezembro, seguida de três aumentos adicionais em 2018.

Além disso, o BC confirmou o início da redução de seu balanço patrimonial, atualmente em US$ 4,5 trilhões. O banco central dos EUA disse que iniciará a redução em outubro em um ritmo de US$ 10 bilhões por mês, o que já era estimado por analistas. “Se este ritmo continuar, o Fed levará sete anos para reduzir todo seu balanço, o que significa um processo extremamente gradual”, disse o diretor da Wagner Investimentos, José Raimundo Faria Júnior.

A instituição manteve sua taxa de juros na faixa entre 1,00% e 1,25%. De acordo com o operador da corretora Multimoney Durval Corrêa, esses fatores acima alteraram levemente o panorama do mercado, mas “o sentimento foi muito pouco, uma vez que as diretrizes do Fed não foram extremamente claras”.

Os pontos que contribuem para as incertezas são a fraqueza da inflação e os custos que os recentes furacões terão na economia dos EUA. Segundo o Fed, tanto a inflação quanto o núcleo recuaram este ano e a projeção é que o núcleo termine 2017 em 1,5%, abaixo da estimativa anterior de 1,7%. A meta de inflação estipulada pelo Fed para a realização de um aperto monetário é de 2,0%. Em coletiva de imprensa, a presidente da instituição, Janet Yellen, disse que a fraqueza na inflação é temporária, o que levou o dólar a subir e atingir máxima ante o real, mas logo voltou para o patamar negativo.

No mercado à vista, o dólar fechou em baixa de 0,13%, aos R$ 3,1305. O giro financeiro somou US$ 1,58 bilhão. Na mínima, a moeda ficou em R$ 3,1150 (-0,62%) e, na máxima, aos R$ 3,1392 (+0,14%). No mercado futuro, o dólar para outubro caiu 0,13%, aos R$ 3,1305. O volume financeiro movimentado somou cerca de US$ 18,80 bilhões. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,1190 (-0,68%) a R$ 3,1440 (+0,11%).

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/586581-dolar-desacelera-queda-ante-real-apos-decisao-do-fed-mas-termina-em-baixa.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!