Jornal do Comércio >> El Niño reduziu área colhida em 2016 no País

O fenômeno climático El Niño provocou redução de 0,7% na área colhida no Brasil no ano passado, embora a área total cultivada com 63 produtos tenha somado 77,2 milhões de hectares, 0,5% maior que em 2015. Os números estão na pesquisa PAM 2016 (Produção Agrícola Municipal), divulgada nesta quinta pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

“Deixamos de colher 1,9 milhão de hectares por conta desse fenômeno”, disse a engenheira agrônoma Larissa Leone Isaac Souza, supervisora da pesquisa. Nos cultivos de milho e de feijão, por exemplo, houve redução de área colhida de 447,1 mil hectares e de 280,5 mil hectares, respectivamente, na comparação com 2015.

Apesar da queda na área colhida, o valor da produção subiu 20% em 2016, chegando a R$ 317,5 bilhões. Segundo o IBGE, o aumento foi impulsionado pelo aumento significativo dos preços dos produtos, sobretudo da soja, do milho e da cana-de-açúcar.

Na soja, o aumento do valor de produção foi 16,1% em relação a 2015, com valor da tonelada atingindo R$ 1.089,30, o que dá média por saca de R$ 65,34. O valor total da produção do grão foi R$ 104,9 bilhões em 2016.

Na cultura do milho, o acréscimo de valor foi de 26,5%, com total de R$ 37,7 bilhões (R$ 587,58 por tonelada e média de R$ 35,25 por saca). Já o valor da produção da cana-de-açúcar subiu 18,3%, somando R$ 51,6 bilhões, o que significa R$ 67,13 por tonelada. Juntos, os três produtos responderam por 61,2% do valor de produção nacional. “São o nosso carro-chefe na questão da produção”, destacou a supervisora da pesquisa.

A produção de grãos (cereais, leguminosas e oleaginosas) caiu 11,4% em 2016 em relação ao ano anterior, chegando a 185,8 milhões de toneladas. Os dois principais produtos desse grupo foram soja, que representou 51,8% do total produzido; e o milho, com 34,5%. O valor de produção dos grãos subiu 19% em 2016, chegando a R$ 174,2 bilhões.

Entre as unidades da federação, São Paulo aparece na primeira posição em valor de produção, com R$ 52 bilhões, aumento de 1,4 pontos percentuais em relação ao ano anterior. Segundo Larissa Souza, o estado paulista concentra 16,4% do valor da produção agrícola do País. Em seguida, vem Mato Grosso, com 13,8% do total nacional, atingindo R$ 43,7 bilhões. Na terceira posição, aparece o Paraná, com R$ 39,9 bilhões (12,6% do valor nacional).

Já o Rio Grande do Sul está em quarto lugar no ranking, com

R$ 38,4 bilhões, concentrando 12,1% do valor da produção agrícola brasileira. Com esse resultado, a participação gaúcha caiu 0,4 pontos percentuais em relação a 2015.

Por municípios, a liderança do ranking nacional de valor da produção agrícola em 2016 ficou com Sorriso (MT), com R$ 3,2 bilhões, aumento de 28,3% em relação a 2015. A área colhida em Sorriso alcançou 1,1 milhão de hectares. “Passou à frente de São Desidério (BA), que era o nosso principal produtor em 2015”, comparou a supervisora. Segundo ela, por causa do El Niño, a produção caiu muito na região, levando o município de São Desidério a cair para a 13ª colocação no ranking este ano, com redução do valor de produção de 33,5%.

O segundo lugar na lista ficou com o município de Sapezal (MT), com valor de produção de cerca de R$ 2,8 bilhões, aumento de 29% em comparação a 2015. As cinco primeiras posições do ranking de valor de produção agrícola em 2016 são de cidades mato-grossenses, seguidas pela goiana Cristalina, todas com predomínio de produção de grãos.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/586797-el-nino-reduziu-area-colhida-em-2016-no-pais.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!