Jornal do Comércio >> Dólar sobe a R$ 3,15 com cautela externa e de olho no cenário político local

O dólar subiu com força ante o real nesta segunda-feira (25), para R$ 3,15 – maior nível em setembro -, seguindo o movimento de valorização generalizada da moeda americana no exterior. De acordo com especialistas, o impulso principal foi a subida de tom na tensão entre os EUA e a Coreia do Norte, embora alguma recomposição de carteiras devido à perspectiva de aumento de juros nos EUA ainda motive o movimento comprador. Internamente, as atenções ficaram voltadas aos obstáculos na tramitação da reforma da Previdência, o que tem deixado o mercado receoso quanto a uma possível aprovação neste ano.

“Tivemos um pouco de movimento de fluxo no início do dia, mas a alta mais acentuada do dólar veio depois da declaração da Coreia do Norte”, disse Ricardo Gomes da Silva Filho, operador de câmbio da corretora Correparti.

O ministro de Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, disse hoje que o comentário do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nas redes sociais de que o líder norte-coreano Kim Jong Un “não ficará por aí por muito tempo” foi uma declaração de guerra contra seu país.

Segundo ele, a “declaração de guerra” dá à Coreia do Norte “todo o direito”, com base na Carta das Nações Unidas, a tomar contramedidas “incluindo o direito de derrubar aviões bombardeiros dos Estados Unidos, mesmo que ainda não estejam dentro do espaço aéreo do nosso país”. A porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, negou veementemente que os Estados Unidos tenham declarado guerra e atacou a beligerância da retórica de Pyongyang.

Roberto Indech, analista-chefe da Rico Investimentos, viu também no mercado de câmbio uma repercussão da decisão do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) na semana passada, que deixou em aberto a possibilidade de uma alta de juros nos EUA neste ano. De acordo com especialistas do mercado, este movimento ainda se reflete no mundo inteiro, uma vez que é natural os investidores ajustarem suas carteiras.

Ambos os profissionais chamaram a atenção também para o cenário interno. Hoje, a Câmara dos Deputados adiou mais um vez a leitura da segunda denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer por falta de quórum. A leitura deverá ser feita amanhã. Enquanto isso, a tramitação da reforma da Previdência segue obstruída, o que tem gerado um desconforto no mercado em relação à aprovação.

No mercado à vista, o dólar fechou em alta de 0,93%, aos R$ 3,1563. O giro financeiro somou US$ 1,11 bilhão. Na mínima, a moeda ficou em R$ 3,1267 (-0,01%) e, na máxima, aos R$ 3,1607 (+1,07%).

No mercado futuro, o dólar para outubro subiu 1,05%, aos R$ 3,1610. O giro financeiro somou US$ 15,53 bilhões. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,1285 (+0,01%) a R$ 3,1625 (+1,10%).

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/587359-dolar-sobe-a-r-3-15-com-cautela-externa-e-de-olho-no-cenario-politico-local.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!