Jornal do Comércio >> Dólar fecha no maior nível em um mês após fala de Yellen e com cautela interna

A mão compradora prevaleceu no mercado de câmbio pelo terceiro dia seguido – levando o dólar a fechar nesta terça-feira (26), no maior nível em mais de um mês (R$ 3,1674) – em meio a um movimento de cautela com o cenário interno em torno da reforma da Previdência e um discurso favorável ao aumento de juros nos EUA feito pela presidente do Federal Reserve (Fed), Janet Yellen. Além disso, tensões geopolíticas seguiram no radar dos investidores.

Enquanto Yellen falava, o dólar renovou máximas ante o real, aos R$ 3,1751 (+0,59%). Isso porque sua fala, considerada na maioria das vezes ‘dovish’ (favorável à manutenção de juros), se mostrou firme a um aperto monetário, quem sabe, ainda neste ano. “Seria imprudente manter a política monetária inalterada até que a inflação alcance a meta de 2%”, disse a dirigente do Fed.

Ao longo da tarde, o dólar continuou a subir, mas longe das máximas. De acordo com o gerente de câmbio da Treviso corretora, Reginaldo Galhardo, o mercado não embarcou totalmente em seu discurso “porque sabe o quão importante é observar os próximos dados de inflação nos EUA. Será que se daqui pra frente, os indicadores de inflação continuarem mostrando fraqueza, o Fed ainda assim subirá os juros? Provavelmente não porque o consumo está fraco”, pontuou. Vale lembrar que, embora a inflação americana tenha mostrado melhora em agosto, nos cinco meses anteriores os resultados mostraram fraqueza. “Ou seja, não se pode dizer em uma tendência de melhora”, acrescentou Galhardo.

O mercado esteve de olho também na leitura da segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer na Câmara. A Secretaria Geral da Mesa deve enviar a denúncia ainda hoje para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

“Ainda que exista a previsão de que a denúncia seja votada até dia 11 de outubro, sabemos que não será porque existem os contrapontos, pedidos de vista, o que arrasta todo o processo. Então a reforma da Previdência é muito difícil vir ainda neste ano e o mercado, que até então estava esperançoso, começa a se proteger”, destacou o operador da corretora Multimoney Durval Corrêa.

A busca por dólar não se resumiu apenas internamente, mas sim de forma generalizada. Especialistas apontaram as tensões geopolíticas como um pano de fundo persistente. Desde ontem o mercado reage com cautela à fala de um ministro da Coreia do Norte que acusou os EUA de declarem guerra e que, mediante a isso, seu país poderá derrubar aviões bombardeiros dos EUA.

No mercado à vista, o dólar fechou em alta de 0,35%, aos R$ 3,1674, maior nível desde 22 de agosto. O giro financeiro somou US$ 1,63 bilhão. Na mínima, a moeda ficou em R$ 3,1532 (-0,09%)

No mercado futuro, o dólar para outubro subiu 0,24%, aos R$ 3,1685. O giro financeiro somou US$ 17,99 bilhões. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,1540 (-0,22%) a R$ 3,1760 (+0,47%).

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/587617-dolar-fecha-no-maior-nivel-em-um-mes-apos-fala-de-yellen-e-com-cautela-interna.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!