Jornal do Comércio >> BC altera projeção da dívida bruta/PIB em 2017 de 77,5% para 76,2%

O Banco Central atualizou nesta sexta-feira (29) suas projeções para a dívida brasileira ao final de 2017. Segundo informou o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, a projeção para a Dívida Bruta do Governo Geral este ano passou de 77,5% para 76,2% do Produto Interno Bruto (PIB). A dívida bruta é uma das principais referências para avaliação, por parte das agências globais de rating, da capacidade de solvência do País.

Já a projeção do BC para a Dívida Líquida do Setor Público foi de 52,7% para 53,6% do PIB. A instituição também alterou seu cálculo para a despesa do setor público consolidado com juros em 2017, de 6,18% para 6,06% do PIB. Já a projeção para o déficit nominal de 2017 passou de 8,39% para 8,58% do PIB.

A revisão dos indicadores levou em consideração mudanças na projeção do Banco Central de crescimento da economia de 0,5% para 0,7% e a ampliação da meta de déficit primário deste ano, que passou de 2,2% para 2,5% do PIB.

Além disso, entram na conta a variação de indexadores da dívida, como Selic, IPCA e IGP e o câmbio, que, nas projeções anteriores era estimado em R$ 3,32 no fim do ano e, agora, é previsto em R$ 3,16. Outra questão que impactou nas projeções foi a previsão de devolução de R$ 50 bilhões pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“A apreciação do câmbio e a devolução de dinheiro do BNDES contribuem para reduzir a dívida bruta”, afirmou Rocha. No caso da ampliação da previsão de déficit nominal, o impacto foi do aumento da meta de primário, já que a perspectiva é de redução na conta de juros, reflexo, por sua vez, da redução da inflação e da Selic.

O chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central informou também que a projeção para a dívida bruta para setembro é de 73,6% do PIB. O porcentual, se confirmado, indicará uma leve queda ante o índice registrado em agosto, de 73,7%.

Esta expectativa de recuo, segundo Rocha, está ligada ao pagamento antecipado do BNDES ao Tesouro em setembro, de R$ 33 bilhões. O impacto deste pagamento antecipado sobre a dívida líquida, no entanto, é nulo, lembrou Rocha. Por isso, a projeção para a dívida líquida em setembro é de 50,8% do PIB, acima dos R$ 50,2% verificados em agosto.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/588275-bc-altera-projecao-da-divida-bruta-pib-em-2017-de-77-5-para-76-2.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!