Jornal do Comércio >> Dona de Azaleia e Olympikus tenta reerguer operações

De uma empresa com faturamento de R$ 3,5 bilhões (em valores atualizados pela inflação), 29 fábricas e 45 mil empregados para uma de R$ 1,3 bilhão de receita total, três fábricas e 15 mil funcionários. Essa foi a transformação pela qual passou, entre 2010 e 2016, a Vulcabrás, companhia que já ostentou o título de maior fabricante de calçados do País e hoje tem apenas 4% do mercado.

Após um processo pesado de reestruturação, que durou quase três anos, a companhia voltou a dar sinais positivos para o mercado. Bem menor, após cinco anos de prejuízo, a empresa conseguiu registrar lucro em 2016, e, em 2017, deverá repetir o desempenho. No primeiro semestre, a companhia, dona de marcas como Azaleia e Olympikus, teve lucro de R$ 51,6 milhões, ante R$ 200 mil no mesmo período de 2016.

A transformação da Vulcabrás poderá alcançar seu auge no mês que vem, com a “reestreia” da companhia na Bolsa. Hoje, com apenas uma parcela muito pequena (1,79%) de suas ações negociadas na B3, os papéis praticamente não têm liquidez. Por isso, a emissão das ações, agendada para outubro, é vista como uma reestreia. A Vulcabrás também trabalha para, até lá, migrar para o Novo Mercado, segmento de mais alta governança corporativa da Bolsa, em uma estratégia para atrair investidores.

Com a operação na B3 (a Bolsa paulista), os acionistas da Vulcabrás pretendem levantar recursos para pagar dívidas e investir no parque fabril, além de recuperar parte do capital que injetaram na companhia no período de crise – segundo fontes próximas a operação, o fundador Pedro Grendene colocou cerca de R$ 450 milhões nos últimos anos. Procurada, a Vulcabrás não comentou as informações, argumentando que está em período de silêncio.

Os aportes da família Grendene foram uma das poucas opções de recursos disponíveis durante o período de reestruturação da empresa. Entre 2011 e 2015, diante do elevado grau de endividamento e do baixo fluxo de caixa, o crédito bancário encareceu para a companhia. Houve ainda a tentativa fracassada de venda de uma participação para o fundo Pátria Investimentos até que a Vulcabrás decidisse contratar a consultoria Galeazzi, especializada em reestruturação de empresas e famosa por realizar cortes drásticos de custos.

Com a Galeazzi diante das operações, começaram as demissões e o fechamento de fábricas. Em dezembro de 2012, às vésperas do Natal, deu-se um dos momentos mais difíceis da história da empresa: 12 unidades fabris na Bahia tiveram suas atividades encerradas e cerca de 3 mil funcionários dispensados. As fábricas eram todas pequenas, produziam modelos de calçados não lucrativos e tinham baixo nível de produtividade. A opção foi manter as unidades grandes, concentrando as linhas de produção.

O corte radical de custos na empresa, no entanto, não foi a única justificativa para a melhora no desempenho da empresa. A crise econômica, que obrigou boa parte dos consumidores brasileiros a migrar nas suas compras para produtos mais baratos e nacionais, acabou ajudando na recuperação da companhia.

Apenas no ano passado, a importação de calçados em todo o País recuou 28,5%. No acumulado de 2017 até agosto, a retração é de 0,3%. Os tênis Olympikus, principal produto da Vulcabrás, têm preços inferiores aos importados, apesar do apelo de design e tecnologia, o que acabou favorecendo a marca.

A importação de calçados a preços competitivos, registradas no período anterior à recessão brasileira, havia sido justamente um dos fatores que haviam levado a Vulcabrás à crise.

O especialista em varejo Alberto Serrentino, fundador da consultoria Varese Retail, conta que todas as nacionais, como Rainha e Topper, sofreram com a concorrência com as estrangeiras “As brasileiras não têm condições de competir direto com o importado no segmento esportivo. Elas precisam investir em um nicho ou criar a percepção de valor ao cliente, mostrar que seus produtos têm uma qualidade ou um design superior considerando o posicionamento de preço”, diz.

Para Edson D’Aguano, também especialista em varejo, a empresa melhorou o design do Olympikus. Os sapatos Azaleia, porém, ainda não se destacam tanto entre os concorrentes, avalia.

O presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), Heitor Klein, diz que o setor ainda se encontra em uma fase difícil e que apenas as marcas mais consolidadas, que investem em design, tem conseguindo sobreviver. “A Vulcabrás é uma das que têm tido um crescimento interessante”, acrescenta.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/588386-dona-de-azaleia-e-olympikus-tenta-reerguer-operacoes.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!