Jornal do Comércio >> EUA apoiam Brasil em disputa com Bombardier

O governo do Canadá será julgado pelos tribunais da Organização Mundial do Comércio (OMC) por conta dos subsídios que sua empresa, a Bombardier, teria recebido ao longo dos últimos dez anos. O caso foi apresentado pelo Itamaraty ontem (29), em Genebra, e ganhou o sinal verde para que uma longa disputa comercial seja uma vez mais iniciada entre os dois países. Mas a Embraer, que afirma ter sido prejudicada, ganhou dessa vez o apoio do governo de Donald Trump.

Washington, nesta semana, concluiu uma investigação sobre os jatos da Bombardier e constatou que a empresa teria recebido incentivos ilegais. O Departamento de Comércio, portanto, estabeleceu uma sobre taxa de 219% sobre os aviões que estão sendo questionados pelo Brasil.

Ontem, a Casa Branca voltou a se pronunciar e se disse “satisfeita” com o início do processo contra os canadenses, principalmente com a iniciativa do Brasil de pedir um levantamento oficial de todos os dados de subsídios prestados aos canadenses. Os americanos indicaram que farão parte da queixa, na condição de terceira parte.

O principal argumento do governo brasileiro é que, diante de um apoio do estado canadense em mais de 20 diferentes programas, a Bombardier prejudicou as exportações da Embraer. Cerca de US$ 3 bilhões teriam sido destinados para financiar uma nova linha de jatos, o C-Series.

O governo considera que, sem essas medidas, o programa C-Series da Bombardier simplesmente não teria sobrevivido. Mais preocupante é que, como consequência dessas medidas de apoio, as condições de concorrência agora favorecem de forma injusta a Bombardier.

Na avaliação do Itamaraty, a situação “continua a causar” prejuízos e “ameaça os interesses do Brasil na indústria aeroespacial”. O Brasil espera que, com esse pedido de painel, o Canadá seja obrigado a colocar suas medidas em conformidade com as obrigações na OMC. “O Brasil considera que esse processo será essencial para restaurar as condições justas de concorrência no mercado”, disse o diplomata Celso Pereira, representante legal do Brasil no órgão de solução de disputas da OMC.

Informações confidenciais. O governo brasileiro ainda iniciou um segundo processo, com a escolha de um representante para colher informações sobre os subsídios dados pelo governo para a empresa “Esperamos que esse processo ajude o Brasil e o painel a entender a dimensão dos programas de subsídios dos governos federal, regional e local e seus impactos”, disse Pereira.

O total de ajuda concedida é alvo de polêmicas e, em muitos casos, os dados são tratados como elemento “confidencial”. Com o pedido oficial, o Brasil espera romper esse sigilo.

A escolha do representante terá de ser aprovada ainda pelo governo do Canadá. Mas, caso haja uma demora no processo, o Itamaraty já indicou que vai solicitar a intervenção da OMC.

O Brasil estima que o governo canadense apoiou de forma ilegal a Bombardier por meio de empréstimos, infusão de capital, incentivos fiscais e outras medidas. Na queixa, o Itamaraty acusa a Bombardier de ter se beneficiado nos últimos anos de um “arsenal” de subsídios, camuflados em isenções fiscais municipais, ajuda ambiental, incentivo a contratação de empregados, compra de ações por parte do governo e investimentos para o desenvolvimento tecnológico e de defesa nacional.

Crítica. O governo do Canadá, porém, rejeita qualquer irregularidade e diz que vai se defender. “O Canadá está decepcionado com o fato de o Brasil ter solicitado uma vez mais o estabelecimento do painel”, indicou o representante de Ottawa. Segundo os canadenses, o Brasil recebeu respostas do que questionou, ainda na fase de consultas bilaterais.

“Estamos confiantes de que as medidas são consistentes com nossas obrigações na OMC e vamos vigorosamente defender nossos interesses”, insistiu. Ottawa, porém, também criticou o fato de o Brasil ter aberto queixas contra mais de 25 programas. “Estamos alarmados com a natureza imprecisa e ampla do pedido do Brasil”, completou.

Num comunicado, a Embraer deixou claro seu apoio à investigação contra a concorrente. “Acreditamos que a decisão do Departamento de Comércio reforça o argumento do Brasil”, disse o presidente da Embraer, Paulo Cesar Silva.

“A empresa canadense recebeu subsídios de governos locais que permitiram a Bombardier vender seu jato a um preço artificialmente baixo”, disse. Em sua avaliação, tal comportamento é “insustentável” e distorce o mercado global. Quem paga por isso, segundo a Embraer, é o contribuinte canadense. “Precisamos restaurar um mesmo nível de jogo”, defendeu.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/588392-eua-apoiam-brasil-em-disputa-com-bombardier.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!