Jornal do Comércio >> Plano da União Europeia para comércio frustra Mercosul

Às vésperas do início de uma rodada decisiva das negociações do acordo entre Mercosul e União Europeia, na próxima semana, o vazamento da oferta que os europeus deverão fazer para o comércio de carnes e de etanol provocou forte reação do lado sul-americano. Ela ficou muito abaixo do esperado, o que indica que as conversas serão duras. Isso coloca em risco o objetivo assumido pelos dois lados de fechar um “acordo político” até dezembro.

Até a noite de ontem, o Itamaraty não havia recebido formalmente nenhuma comunicação dos europeus, que estão profundamente divididos e têm dificuldades de chegar a uma proposta consensual Tudo indicava, porém, que eles trarão para a rodada de negociações os números que circularam informalmente na quinta-feira.

A UE se propõe a importar, anualmente, até 70 mil toneladas de carne e 600 mil toneladas de etanol. A expectativa era que, no mínimo, viesse uma oferta igual à que estava sobre a mesa em 2004, quando as negociações pararam: 100 mil toneladas de carne e 1 milhão de toneladas de etanol.

“Não dá”, reagiu o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Antonio Jorge Camardelli. “Os números não são palatáveis.” O setor esperava ser autorizado a exportar até 390 mil toneladas por ano. Essa cota já está negociada e dividida entre os sócios do Mercosul.

Em 2004, a UE tinha 15 membros e se propunha a comprar 100 mil toneladas de carne do Mercosul. Agora, com 28 membros, a disposição de compra caiu para 70 mil toneladas. “É uma quantia que chega a ser ridícula quando comparada à preferência que os europeus vão obter no mercado consumidor do Brasil”, disse Pedro de Camargo Neto, representante da Sociedade Rural Brasileira.

A reação foi semelhante no setor de açúcar e álcool. “Está muito abaixo do aceitável”, disse o diretor executivo da União da Indústria de Cana de Açúcar (Unica), Eduardo Leão de Sousa.

A cota de 600 mil toneladas era o mínimo esperado para o álcool carburante. Além dessa, o setor esperava a liberação sem cotas para a venda de etanol para uso industrial. Além do etanol, o setor espera uma abertura para o mercado de açúcar. “Para nós, é fundamental que entre na oferta”, disse Sousa.

“Essa é a fase mais delicada, mais melindrosa das negociações”, disse ao Estado o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes. “Mas é hora de colocar a oferta na mesa para começar a negociar.”

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, se mostrou pouco impressionado com a suposta oferta inicial dos europeus. “Negociador trabalha assim mesmo”, comentou. “Com certeza devemos continuar a insistir.” Ele explicou que, na área agrícola, os europeus têm interesse de abrir mercados no Mercosul para produtos lácteos e vinho.

Se os sul-americanos acharam a oferta muito modesta, agricultores europeus prometeram organizar protestos na próxima quarta-feira. O bloco está dividido quanto ao acordo com o Mercosul. Alemanha, Itália, Espanha e Portugal e outros quatro países insistem em avançar para garantir acesso a um mercado avaliado em mais de ¤ 150 bilhões. Numa carta enviada à Comissão, esses governos pedem que o processo seja acelerado e que uma oferta seja apresentada.

Mas onze dos 28 governos do bloco rejeitam a abertura, principalmente em um momento de fortalecimento de partidos de extrema-direita pelo continente em busca justamente dos setores afetados pelo comércio. “Quero um acordo com o Mercosul. Mas quero ver nossos padrões protegidos e nossos fazendeiros protegidos”, disse o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar.

“A Comissão está amplamente consciente das sensibilidades de alguns setores e já compartilhou isso com os negociadores do Mercosul”, disse a Comissão Europeia, em nota ao Estado. “O futuro acordo com o Mercosul vai levar em conta a sensibilidade de alguns produtos para os fazendeiros europeus e estarão sujeitos a cotas.”

A abertura do mercado sul-americano para industrializados europeus deverá ocorrer de forma “gradual e responsável”, disse o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira. “Entramos na etapa decisiva das negociações, e o Mercosul está preparado para buscar acordo equilibrado, que nos amplie oportunidades.”

Tachada no passado como principal foco de resistência ao acordo por temer a concorrência europeia, a indústria brasileira agora vê ganhos na conclusão da atual rodada. “Em uma lista de 1.000 produtos em que o Brasil tem chance de competir na Europa, 67% enfrentam tarifas”, disse o gerente de Negociações Internacionais da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Fabrizio Panzini.

Os aviões da Embraer, por exemplo, precisam pagar tarifa de 3% para entrar na Europa. Os calçados são taxados com até 20% e os produtos químicos, com 3% a 8%. Um acordo ajudaria a reduzir essas tarifas e a dar melhores condições de competição aos produtos brasileiros.

Há ganhos também em outras frentes, como por exemplo o acordo de compras governamentais. Ele vai garantir que, numa lista de produtos comprados pelas administrações públicas europeias, os fornecedores brasileiros tenham as mesmas condições dos fabricantes locais. E vice-versa. Trata-se de um mercado de US$ 1,6 trilhão.

O acordo contempla também regras para facilitar investimentos europeus no Mercosul e vice-versa. “O acordo traz oportunidade para aumentar o investimento europeu no Brasil e gera fluxo de comércio grande”, disse Panzini.

A proposta apresentada pela indústria do Mercosul prevê a redução gradual de tarifas de importação cobradas sobre quase 90% dos produtos. A queda ocorrerá ao longo de 10 a 15 anos, mas em alguns produtos a abertura ocorrerá mais rápido, num prazo de dois a oito anos. Na via oposta, o Mercosul quer que os europeus “zerem” de imediato tarifas de importação que se propuseram a eliminar em prazos como quatro e oito anos.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/588381-plano-da-uniao-europeia-para-comercio-frustra-mercosul.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!