Jornal do Comércio >> Vendas em supermercados crescem 0,25% em agosto, diz Abras

Os supermercados brasileiros registraram crescimento real de 0,25% nas vendas em agosto na comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). O indicador, que desconta a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), acumula alta de 0,67% nos primeiros oito meses do ano ante igual período de 2016.

Em termos nominais, sem descontar a inflação, as vendas dos supermercados apresentaram alta de 2,74% em agosto na comparação anual. Em oito meses, o crescimento nominal é de 4,54%, também na comparação com os mesmos meses de 2016.

Em nota, o presidente da Abras, João Sanzovo Neto, considerou que há uma expectativa de retomada gradual no consumo das famílias. “Acreditamos que a aproximação do final do ano, com importantes datas para o setor como Black Friday, Natal e Réveillon, poderá impulsionar as vendas”, afirmou.

A Abras têm uma projeção de crescimento de 1,5% nas vendas reais para este ano ante 2016.

Os preços dos produtos mais consumidos nos supermercados caíram 1,84% em agosto na comparação com julho deste ano, segundo a Abrasmercado, cesta de 358 produtos pesquisada pela GfK e analisada pelo Departamento de Economia e Pesquisa da Abras.

Na comparação com agosto de 2016, a cesta de produtos – que inclui cerveja e refrigerante, além de itens de higiene, beleza e limpeza doméstica – estão 7,73% mais baixos este ano.

As maiores quedas de preço no mês de agosto foram registradas em produtos como tomate, o qual recuou 19,69%; feijão, com queda de 11,28% e cebola, que caiu 5,03%. Entre as altas estão a farinha de mandioca, com aumento de 5,14%, o papel higiênico com 2,35% de crescimento, e a batata, alta de 2%.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/588265-vendas-em-supermercados-crescem-0-25-em-agosto-diz-abras.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!