Jornal do Comércio >> Brasil é o 7º pior para pagamento de tributos

O Brasil é, de longe, o campeão mundial no tempo gasto pelas empresas na preparação de documentos para o pagamento de impostos e contribuições: 1.958 horas ao ano, seis vezes a média de 332 horas registrada nos países da América Latina e Caribe, de acordo com o último relatório do Banco Mundial sobre ambiente de negócios em todo o mundo.

No critério “pagamento de impostos”, que incluiu o percentual recolhido em relação ao lucro, o Brasil aparece na 184ª posição entre os 190 países analisados no Doing Business 2018. Isso significa que é o sétimo pior país do mundo para o pagamento de impostos. No levantamento anterior, o País estava no 181º lugar.

O pagamento de impostos é um dos 10 critérios usados pelo banco para medir as dificuldades enfrentadas por empresas em suas operações em cada país. O Brasil caiu na classificação geral da 123ª para a 125ª posição, apesar de ter registrado um pequeno avanço na sua performance. A queda relativa foi consequência de progressos ainda maiores em outras 146 nações. Otaviano Canuto, representante do Brasil no Banco Mundial, disse que o aumento da eficiência no comércio exterior foi o principal fator que levou ao aumento da “nota” do País de 56,07 para 56,45. A alta de 0,38 ficou abaixo do avanço médio de 0,76 de todos os avaliados no ranking.

O número de horas para realizar procedimentos burocráticos na exportação caiu de 18 para 12. No caso da importação, a redução foi ainda mais acentuada, de 120 horas para 48 horas. “A mudança no portal do comércio exterior é fundamental”, disse Canuto em entrevista a jornalistas brasileiros em Washington. Mas o Brasil continua a ter o 13º maior custo para realizar exportações entre os 190 países: US$ 959, mais que o dobro dos US$ 400 registrados no México. Na Argentina, o valor é de US$ 150. A classificação geral do Brasil no Doing Business é inferior à de todos os seus sócios no Mercosul e à dos parceiros no Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). “O nosso ponto de partida é um Doing Business horroso”, afirmou Canuto. “Parte disso é a complexidade de ser uma federação, e parte é o nosso estilo de capitalismo de compadrios, no qual você coloca dificuldade para vender facilidade”, disse o economista.

Entre os itens que definem o ranking geral estão o número de dias gastos na abertura de firmas, no pagamento de impostos, na obtenção de permissão de construção, na conexão com a rede elétrica e no registro de uma propriedade. Também são considerados comércio exterior, acesso a crédito, solução de falências e concordatas, e implementação de contratos.

“A má qualidade do Doing Business significa duas coisas. Primeiro, desperdício e produtividade menor do que a que poderia ser alcançada, porque mão de obra e recursos materiais das empresas são usados em coisas que não agregam valor”, observou Canuto. “Segundo, um ambiente de negócios ruim também desfavorece a competição. As empresas que já estão instaladas, que já jogam o custo de fazer negócio no Brasil no preço, têm condições de se defender em relação a desafiantes, a contestadores”, disse o economista.

Entre o Doing Business do ano passado e o divulgado nesta terça-feira, o Brasil conseguiu reduzir em 80 horas o tempo gasto na burocracia tributária. As 1.985 horas gastas pelas empresas representam 22% das 8.760 horas de um ano.

 

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/10/economia/594065-brasil-e-o-7-pior-para-pagamento-de-tributos.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!