Jornal do Comércio >> Temer assina medida que prorroga adesão do Refis por duas semanas

O presidente Michel Temer assinou a medida provisória que prorroga até o dia 14 de novembro a adesão ao Refis, programa de refinanciamento de dívidas com o fisco. A MP será publicada em edição extra do Diário Oficial da União desta terça-feira (31).

Auxiliares do presidente afirmam que ele havia autorizado, nesta segunda (30), que o governo divulgasse a data do novo prazo, apesar de ainda não ter assinado a MP. Em sua casa em São Paulo, de onde despacha após receber alta do hospital em que passou por uma cirurgia na próstata, Temer conversou com o ministro Henrique Meirelles (Fazenda) e bateu o martelo sobre o assunto. Após o encontro, Meirelles confirmou a decisão de prorrogar o período de adesão.

O prazo inicial do Refis terminaria nesta terça, mas o adiamento foi negociado com o Congresso como forma de compensar a demora na sanção do projeto e dar mais tempo para as empresas, que aguardavam a última versão do texto antes de ingressarem no programa.

A Receita Federal, no entanto, defendeu que não fosse editada uma nova medida provisória com mais prazo, o que justificou a demora na assinatura da MP. Para o fisco, agora com mais tempo, as empresas vão segurar por 14 dias seu caixa até fazerem o pagamento da parcela inicial de adesão ao Refis.

O programa foi sancionado por Temer na véspera da votação na Câmara da segunda denúncia contra ele -por obstrução da Justiça e organização criminosa- apresentada pela Procuradoria-Geral da República. Em troca de apoio para derrubar a denúncia, o presidente vetou somente quatro pontos do texto aprovado no Congresso. Juntas, Receita e Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional recomendaram 21 vetos.

No final, o programa concedeu mais vantagens aos contribuintes. Com uma entrada de 20%, será possível parcelar a dívida em até 15 anos com desconto de 50% de juros e de 25% de multas. Empresas que têm dívidas de até R$ 15 milhões também tiveram mais vantagens com a nova versão do Refis. Elas poderão entrar pagando 5% (e não 7,5%, como antes) e, depois das reduções de multas e juros, usar crédito gerado por prejuízo fiscal para pagar a diferença.

Apesar de ter concordado inicialmente, Temer foi obrigado a vetar a participação de pequenas e médias empresas que recolhem impostos pelo Simples. Para isso, seria preciso ter aprovado antes uma lei específica.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/10/economia/593902-temer-assina-medida-que-prorroga-adesao-do-refis-por-duas-semanas.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!