Valor >> Bradesco vê lucro contábil cair 10,9% no trimestre, a R$ 2,884 bilhões

SÃO PAULO  –  O Bradesco obteve lucro líquido contábil de R$ 2,884 bilhões no terceiro trimestre deste ano, queda 10,9% na comparação com o mesmo período de 2016. O lucro ajustado aumentou 7,8%, para R$ 4,810 bilhões.

A média das projeções de analistas consultados pelo Valor apontava um lucro ajustado de R$ 4,792 bilhões para o Bradesco no terceiro trimestre.

A instituição informou que o programa de demissão voluntária (PDV) aberto em julho e encerrado em agosto teve adesão de 7,4 mil funcionários, com um custo total de R$ 2,3 bilhões. O efeito anual estimado nas despesas de pessoal é uma redução de R$ 1,5 bilhão.

O PDV foi um dos fatores que pesou no lucro líquido contábil do banco, com impacto negativo de R$ 1,262 bilhão.

O banco apontou ainda que houve aumento de 2,3% no lucro ajustado na passagem do segundo para o terceiro trimestre de 2017, decorrente da redução da despesa com provisão para devedores duvidosos, devido à melhora dos indicadores de inadimplência; do maior resultado com a prestação de serviços; e das menores despesas de pessoal.

Por outro lado, o resultado foi afetado pela redução da margem financeira, que sentiu o impacto do efeito do impairment de ativos financeiros; pelo menor resultado com as operações de seguros, previdência e capitalização; e pelo aumento das despesas administrativas.

A margem financeira total recuou 13,7% entre julho e setembro, ante um ano antes, para R$ 14,604 bilhões. Já a carteira de crédito expandida somou R$ 486,864 bilhões, com queda de 1,4% em três meses e baixa de 6,7% em 12 meses.

As despesas com provisões para devedores duvidosos também diminuíram, com baixa de 33,4%, para R$ 3,822 bilhões. Já a inadimplência ficou em 4,8%, de 4,9% no segundo e 5,4% no terceiro trimestre do ano passado.

O retorno sobre o patrimônio líquido médio ficou em 18,1% no terceiro trimestre, de 18,2% no segundo e 17,6% entre julho e setembro de 2016.

Carteira de crédito e inadimplência

O segmento de pessoas jurídicas e um desempenho fraco em quase todas as linhas de pessoa física levaram o Bradesco a uma nova retração em sua carteira de crédito, que fechou setembro em R$ 486,864 bilhões. O número representa uma queda de 1,4% em três meses e de 6,7% em um ano.

No segmento de pessoas físicas, o estoque somava R$ 172,207 bilhões no fim do terceiro trimestre, com alta de 0,1% frente a junho e de 0,7% em relação a setembro do ano passado. Com exceção de crédito consignado, financiamento imobiliário, CDC/leasing de veículos e avais e fianças, todas as demais modalidades encolheram no trimestre.

A carteira de pessoas jurídicas diminuiu 2,1% em relação a junho e 10,3% perante setembro de 2016, para R$ 314,657 bilhões. Financiamento à exportação e operações com risco de crédito na carteira comercial, como debêntures e notas promissórias, foram as únicas linhas com variação positiva.

O saldo de operações com grandes empresas recuou 2,1% em relação ao segundo trimestre e 10,3% no confronto com setembro do ano passado, ficando em R$ 223,801 bilhões.

No segmento de micro, pequenas e médias empresas, o saldo era de R$ 90,856 bilhões no término do terceiro trimestre de 2017, o que mostra queda de 1,8% frente a junho e de 17,8% na comparação anual.

Apesar do desempenho fraco, a qualidade do crédito melhorou, o que se deve às carteiras de pessoa física quanto e micro, pequenas e médias empresas. Nas grandes companhias, os calotes continuaram em alta.

A inadimplência de pessoa física, considerando operações com atraso superior a 90 dias, caiu para 5,8% em setembro, ante 6,21% em junho e 6,5% no fim do terceiro trimestre de 2016.

Nas micro, pequenas e médias empresas, a taxa de calotes chegou a 6,79%, o que representa queda de 0,8 ponto percentual em um ano e de 0,4 ponto em três meses.

No caso das grandes empresas, porém, a inadimplência aumentou para 1,8%, ante 1,52% em junho. Na comparação com setembro do ano passado, houve queda de 0,2 ponto percentual.

No geral, a inadimplência nas operações de crédito do Bradesco era de 4,77% no término do terceiro trimestre, vinda de 4,94% no fim de junho e 5,4% em setembro de 2016.

Fonte Oficial: http://www.valor.com.br/financas/5179162/bradesco-ve-lucro-contabil-cair-109-no-trimestre-r-2884-bilhoes.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!