Jornal do Comércio >> Petróleo opera em alta e atinge máximas em 2 anos, de olho na demanda

Os contratos de petróleo operam em alta nesta sexta-feira (3), nos maiores patamares em dois anos, apoiados pelo crescimento econômico que ajuda a impulsionar a demanda por ele e por combustíveis em geral. As economias pelo mundo crescem simultaneamente pela primeira vez em uma década e a atividade industrial ganha impulso, o que eleva a demanda pelo diesel. Além disso, mais embarcações com produtos cruzam os oceanos, o que exige combustível, e o menor desemprego também eleva o consumo de combustível.

Às 8h03min (de Brasília), o petróleo WTI para dezembro subia 0,50%, a US$ 54,81 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para janeiro avançava 0,26%, a US$ 60,80 o barril, na ICE.

“Nós temos visto o crescimento global claramente mais forte do que esperaríamos 12 meses antes”, afirmou Jason Thomas, diretor de pesquisas do Carlyle Group. “Não é apenas o crescimento mais forte, é o crescimento mais forte em áreas que consomem petróleo”, como comércio e indústria, acrescentou.

Os preços do petróleo avançam mais de 15% desde o início de setembro, o melhor bimestre da commodity em mais de um ano. Na quinta-feira, o barril do WTI já atingiu a máxima desde julho de 2015. O Brent rompeu a barreira dos US$ 60 o barril, em reação também a sinais de um esforço coordenado da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e de outros grandes países do setor em seu acordo para conter a produção.

O crescimento global tem sido apoiado pelo mercado acionário dos EUA, que atingiu novos recordes neste ano. Trata-se de uma grande reação dos preços do petróleo, que caíram mais de 20% desde fevereiro até junho, em meio a dúvidas sobre o esforço da Opep.

A demanda por gasolina nos EUA está em máximas recordes. A demanda por diesel, por sua vez, tem mostrado força na Europa, na América Latina e na Índia, segundo Ebele Kemery, diretor de investimentos em energia do J.P. Morgan Asset Management. Kemery aponta, contudo, que os preços estão no fim da margem prevista para o rali recente. Para ele, nesse quadro agora o petróleo pode se mover em qualquer direção.

Além disso, há riscos no horizonte. O acordo para corte na produção da Opep deve vencer em março, mas uma reunião do cartel em 30 de novembro decidirá se a iniciativa será estendida. Alguns temem que ocorra o mesmo que em maio, quando a Opep anunciou a extensão do acordo, mas os preços recuaram do mesmo jeito. 

Fonte Oficial: https://worldcambio.com.br/wp-content/uploads/2017/11/jornal-do-comercio-petroleo-opera-em-alta-e-atinge-maximas-em-2-anos-de-olho-na-demanda.br_conteudo/2017/11/economia/594410-petroleo-opera-em-alta-e-atinge-maximas-em-2-anos-de-olho-na-demanda.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!