Jornal do Comércio >> Demanda por síndicos profissionais aumenta

O tempo em que apenas condomínios-clube – com grande concentração de moradia e infraestrutura mais completa – contratavam terceiros para administrar questões internas é passado. A rotina agitada dos moradores dos grandes centros e o acúmulo de responsabilidades fez com que a tarefa de gerir condomínios torna-se pouco atrativa. A partir disso, a figura do síndico profissional foi democratizada. Hoje, até mesmo prédios com apenas quatro apartamentos buscam por auxílio especializado.

Este é o caso do condomínio Gabriela, localizado no bairro Rio Branco, que contratou os serviços da Procond Síndicos Profissionais há quase um ano. O síndico responsável é Alex Sandro D’Avila, que acumulou experiência de 22 anos no mercado imobiliário antes de montar a empresa há quatro anos. Em sua avaliação, quanto menor o condomínio mais pesa, na equação a criação de vínculos entre os moradores, que, muitas vezes, interfere na tomada de decisão. “Como alguém de fora, me torno isento”, diz.

Formado em Administração de Empresas, D’Avila argumenta que a realidade de fluxo de caixa, conselhos e demonstrativos financeiros fazem os condomínios, cada vez mais se assemelharem a corporações. A afirmação vai ao encontro do pensamento da vice-presidente de condomínio do Sindicato da Habitação (Secovi-RS), Simone Camargo, que lembra que, quando a opção é por terceirizar a gestão, o papel do conselho de moradores, que pode ter caráter consultivo e fiscal, torna-se ainda mais importante para o bom funcionamento do residencial.

Sem citar números, Simone argumenta que a praticidade de entregar a administração dos conjuntos habitacionais a terceiros tem aumentado exponencialmente a procura por síndicos profissionais. A demanda na Procond, por exemplo, aumentou em 1.200% em quatro anos, ao passar de dois clientes, em seu início, para 26 atualmente. Essa realidade, aliás, não é restrita a marca. “Tenho outros colegas com números bem semelhantes”, comenta o diretor da Procond.

Outra explicação para a falta de interesse de moradores administrarem seu próprio condomínio está na remuneração, que é definida por convenção interna. “Muitas vezes não compensa pelo empenho necessário”, comenta. Para os síndicos profissionais, a Associação de Síndicos do Rio Grande do Sul (Assosíndicos-RS) estima uma renda mensal de um salário-mínimo a R$ 16 mil, a depender do tipo de contrato.

Na Procond, o preço mínimo cobrado pelo pacote básico para prédios menores do que sete apartamentos é de R$ 450,00. “Esse valor varia conforme a demanda de serviços em cada caso, como de portaria e limpeza”, exemplifica D’Avila.

A representante do Secovi-RS lembra que cada residencial tem suas particularidades e, por isso, é necessário qualificação, oferecida por algumas universidades, além da participação em palestras de órgãos de classe como o próprio Secovi-RS e a Assosíndicos-RS.

À medida que a demanda por síndicos especializados aumenta em Porto Alegre, cresce também o debate sobre a regularidade da profissão. A Associação dos Síndicos do Rio Grande do Sul (Assosíndico-RS), criada por um grupo de profissionais que almeja as melhores práticas no setor, defende o estabelecimento de norma que crise parâmetros de trabalho.

No momento, o Projeto de Lei nº 20.225/11 é a única matéria que tramita sobre o assunto junto ao Congresso Nacional e foi arquivada em 2015 por uma questão de prazos, conforme o regimento interno da Câmara dos Deputados. Pela falta de regulamentação, a vice-presidente de condomínios do Sindicato da Habitação (Secovi-RS), Simone Camargo, prefere referir-se aos autônomos que trabalham na administração de condomínios como síndicos terceirizados, e afirma que a falta de norma abre brecha para que aventureiros aproveitem-se do crescimento da procura por pessoas qualificadas na área.

Para evitar golpes, Simone orienta que os condomínios contratantes solicitem a carta de clientes completa da empresa a ser contratada e se escolha aleatoriamente quais conjuntos residenciais contatados. Assim, se evita que as chamadas referências estejam viciadas.

Além disso, ela lembra que a contratação dos serviços deve ser feita a partir de um Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) para que se evite encargos trabalhistas. “Se for pessoa física, qualquer chamada fora de expediente vai gerar hora extra e adicional noturno, se for o caso”, lembra.

A preocupação é acompanhada pela presidente do Assosíndico-RS, Mauren Gonçalves. Apesar de julgar que a atual conjuntura política impede celeridade no processo de regulamentação, sua preocupação, diz, recai sobre a possibilidade de criação de vínculos entre síndico profissional e condomínio através da lei, o que encareceria o serviço.

“Sei que existem profissionais que trabalham desta maneira, mas não queremos que o texto de regulamentação trate isso como uma exigência”, argumenta, lembrando que a maioria dos que atuam são autônomos.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/11/economia/594506-demanda-por-sindicos-profissionais-aumenta.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!