Jornal do Comércio >> ‘Embargo da Rússia à carne é normal’, diz Maggi

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, afirmou que a suspensão temporária das importações de carne bovina do frigorífico Mataboi, de Goiás, anunciada pela Rússia, é uma medida normal. O ministro disse que, até o momento, as informações que detém são somente aquelas repercutidas pela mídia e que a medida é “coisa do dia a dia”. 

Segundo Maggi, o aumento de controle de qualidade pela Rússia não tem ligação com a Operação Carne Fraca. Ele disse que a pasta ainda não recebeu um comunicado oficial. “Tudo que eu sei é pela imprensa. É absolutamente normal acontecer esse tipo de evento, com suspensão temporária ou, às vezes, mais prolongada, quando o importador detecta uma inconformidade”, disse o ministro, em áudio distribuído à imprensa.

O Serviço Federal de Vigilância Sanitária e Veterinária da Rússia anunciou, na sexta-feira passada, a suspensão temporária das importações e disse que a carne estava fora do padrão sanitário do controle adotado por aquele país. “Vamos fazer a checagem, vamos comunicar aos frigoríficos que foram citados e eles deverão tomar as medidas cabíveis para fazer a correção”, disseram as autoridades russas, que impuseram ainda controles mais rígidos a outros cinco frigoríficos brasileiros.

A medida adotada pelas autoridades russas ao Mataboi passará a valer a partir do dia 15 deste mês. Para os produtos embarcados antes dessa data, serão feitas inspeções adicionais. A decisão vale também para gordura e miúdos bovinos produzidos pelo frigorífico. As autoridades russas não informaram até quando a suspensão das compras estará em vigor.

Além da suspensão, outros cinco frigoríficos brasileiros serão alvo de restrições. As vendas de carne bovina de JBS, Frigo Estrela, Frigol e Frigon – Irmãos Gonçalves passarão por controles mais rígidos. Já no caso do frigorífico Aurora, as restrições serão na exportação da carne de porco.

De acordo com o despacho publicado no site da agência russa, essas novas restrições estão em vigor desde o dia 30 de outubro. Procurados, Frigo Estrela, Frigol, Aurora e Frigon – Irmãos Gonçalves não foram encontrados para comentar a decisão das autoridades russas. JBS decidiu não comentar.

Por meio de sua assessoria, o frigorífico Mataboi afirmou que ainda não tem detalhes da decisão do governo russo. A empresa ressaltou que vai verificar o que ocorreu para regularizar a situação. A medida atingiu a planta do frigorífico em Santa Fé, Goiás. A outra unidade da companhia, a de Araguari, em Minas Gerais, não sofreu restrições. A empresa ressaltou que não haverá alteração na produção e compra de bois, pois direcionará suas vendas, nesse período, para outros mercados. O frigorífico ainda destacou que esses procedimentos são comuns no mercado de carnes.

No mês passado, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) reprovou a compra do frigorífico Mataboi pela JBJ, empresa de José Batista Júnior, irmão mais velho de Joesley e Wesley Batista. A compra foi anunciada em 2014, quando o Mataboi estava em recuperação judicial.

Todos os conselheiros seguiram o relator do processo que, em seu voto, considerou que o parentesco do dono da empresa, conhecido como Júnior Friboi, e os controladores da JBS poderia criar riscos concorrenciais. As empresas terão 30 dias para separar seus negócios, mas o presidente do Mataboi, José Augusto Carvalho, disse na ocasião que iria recorrer à Justiça.

A Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) contestou a rejeição da China à exportação de frigoríficos brasileiros de carne bovina e disse que “não há irregularidades nestas empresas, já que foram feitas correções pela maioria delas nos pedidos apresentados ao governo chinês ainda em 2016”.

Na quarta-feira, 1, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, confirmou que o governo chinês rejeitou o pedido de autorização em um total de 26 plantas frigoríficas brasileiras, incluindo unidades de aves, para exportar carnes àquele país.

O veto ocorreu juntamente com o anúncio de que outras 22 unidades serão autorizadas a vender seus produtos ao país asiático.

“O que ocorreu com os frigoríficos de bovinos rejeitados foi que muitos deles apresentaram documentação também para a exportação de miúdos e carne com osso, produtos que não constam do protocolo bilateral assinando entre o Brasil e a China”, disse, em nota, o presidente executivo da Abrafrigo, Péricles Salazar.

Segundo ele, este fato foi constatado no ano passado e a documentação foi corrigida pela maioria das empresas. “Imaginamos que os chineses fizeram sua avaliação com base apenas na primeira listagem, sem as correções”, disse.

A entidade afirma que vai encaminhar ao ministério um pedido para que examine esta situação já que “não há motivos para o veto, se a análise for realizada com base na segunda listagem enviada pelo Brasil ao governo chinês”.

Abrafrigo contesta rejeição da China à exportação de frigoríficos brasileiros

A Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) contestou a rejeição da China à exportação de frigoríficos brasileiros de carne bovina e disse que “não há irregularidades nestas empresas, já que foram feitas correções pela maioria delas nos pedidos apresentados ao governo chinês ainda em 2016”.

Na quarta-feira, 1, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, confirmou que o governo chinês rejeitou o pedido de autorização em um total de 26 plantas frigoríficas brasileiras, incluindo unidades de aves, para exportar carnes àquele país.

O veto ocorreu juntamente com o anúncio de que outras 22 unidades serão autorizadas a vender seus produtos ao país asiático.

“O que ocorreu com os frigoríficos de bovinos rejeitados foi que muitos deles apresentaram documentação também para a exportação de miúdos e carne com osso, produtos que não constam do protocolo bilateral assinando entre o Brasil e a China”, disse, em nota, o presidente executivo da Abrafrigo, Péricles Salazar.

Segundo ele, este fato foi constatado no ano passado e a documentação foi corrigida pela maioria das empresas. “Imaginamos que os chineses fizeram sua avaliação com base apenas na primeira listagem, sem as correções”, disse.

A entidade afirma que vai encaminhar ao ministério um pedido para que examine esta situação já que “não há motivos para o veto, se a análise for realizada com base na segunda listagem enviada pelo Brasil ao governo chinês”.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/11/economia/594629-embargo-da-russia-a-carne-e-normal–diz-maggi.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!