Jornal do Comércio >> Juros futuros fecham em baixa, em linha com câmbio e exterior mais calmo

Os juros futuros fecharam o dia em queda, que foi mais expressiva nos contratos de longo prazo, justamente os que haviam subido com força na última sessão. O movimento esteve relacionado ao ambiente externo relativamente calmo nesta segunda-feira e que trouxe alívio para ativos de economias emergentes, com destaque para o segmento de moedas. O dólar esteve em queda generalizada, voltando a ser negociado abaixo de R$ 3,30, favorecendo a correção das taxas longas.

Ao final da sessão regular, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou com taxa de 7,29%, de 7,30% no ajuste de sexta-feira, e a do DI para janeiro de 2020 caiu de 8,54% para 8,47%. A taxa do DI para janeiro de 2021 fechou na mínima de 9,28%, de 9,41%. A taxa do DI para janeiro de 2023 terminou em 10,02%, de 10,17%.

Com a agenda tanto aqui quanto lá fora foi esvaziada, assim como o noticiário sem destaques, o câmbio acabou sendo o principal parâmetro. “A queda de mais de 1% do dólar (ante o real) está trazendo ajuste na parte longa da curva. As moedas ligadas a commodities estão sofrendo correção depois do tombo frente ao dólar na semana passada. Como o real foi a que mais se desvalorizou na semana passada, é natural que esse movimento acabe tendo uma variação maior”, disse o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

O dólar à vista bateu sucessivas mínimas à tarde e os juros futuros acompanharam. Com a sessão regular já encerrada, a moeda continuou ampliando o recuo e, pouco antes do fechamento deste texto, às 16h33, tinha nova mínima de R$ 3,2572 (-1,46%).

Internamente, o mercado segue cético em relação à reforma da Previdência, mas, segundo o economista-chefe do Banestes, Eduardo Velho, há algum otimismo sobre a aprovação do pacote fiscal relacionado ao Orçamento de 2018. “Talvez o governo consiga aprovar, o sentimento é positivo. E não se pode descartar possibilidade de passar uma minirreforma da Previdência, mesmo que alguma coisa, via MP”, disse.

Outro foco do mercado é a eleição de 2018 e a perspectiva de vitória de um candidato reformista. Em artigo publicado neste domingo, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirma que o PSDB, não passará de um coadjuvante na eleição presidencial se não anunciar, em convenção partidária prevista para dezembro, o desembarque formal do governo de Michel Temer.

Nesta segunda-feira, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, potencial candidato do partido à eleição, afirmou que “FHC age como estadista e sua palavra é sempre ouvida”.

Fonte Oficial: https://worldcambio.com.br/wp-content/uploads/2017/11/jornal-do-comercio-juros-futuros-fecham-em-baixa-em-linha-com-cambio-e-exterior-mais-calmo.br_conteudo/2017/11/economia/594783-juros-futuros-fecham-em-baixa-em-linha-com-cambio-e-exterior-mais-calmo.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!