Jornal do Comércio >> Atividade industrial gaúcha mantém estabilidade em setembro

O Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS) se manteve estável em setembro (0,1%) na comparação com agosto de 2017, apesar da queda em três dos seus seis componentes: faturamento real (-1,7%), horas trabalhadas na produção (-1,9%) e massa salarial real (-1,2%). Os resultados foram divulgados ontem pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), e apontam ainda estabilidade no emprego (0%) e nas compras industriais (-0,1%). Apenas a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) cresceu 0,5 p.p., passando para 79,5%.

“Os indicadores industriais revelam que a recuperação da indústria gaúcha continua de forma lenta e gradual, mas alguns fatores mantêm as perspectivas positivas para o setor nos próximos meses, entre eles a confiança do empresário e a queda nos juros e na inflação”, diz o presidente da Fiergs, Gilberto Petry, ao lembrar ainda do emprego em alta, da demanda interna em recuperação e do ajuste nos estoques. O menor número de dias úteis em setembro (19) ante o mês anterior (23) contribuiu negativamente para este nível de atividade no mês.

Em relação a setembro de 2016, o IDI-RS subiu 1,4%, mesmo com um dia útil a menos. O que representa a terceira expansão consecutiva – a quarta em cinco meses.

No balanço do ano, o índice ainda mostra resultado negativo, mas cada vez mais próximo da estabilidade (-0,2%). Mantida a tendência atual – a taxa avança em média 0,2 p.p. ao mês -, deve fechar 2017 com um aumento muito modesto (entre 0% e 1%) diante da enorme perda de 18,4% no triênio 2014-2016, que levou a indústria gaúcha a patamares do ano 2000.

Entre janeiro e setembro de 2017, os componentes do IDI-RS apresentam desempenhos distintos, mas todos com tendência de melhora. Horas trabalhadas na produção (-2%), compras industriais (-1,5%) e emprego (-1,4%) caíram, enquanto faturamento real (2,2%), massa salarial (2%) e UCI (0,6 p.p.) subiram.

O mesmo tipo de comportamento desigual se verifica entre os 17 setores pesquisados ao longo de 2017: indústrias de tabaco (17,2%), produtos de metal (5,2%), e máquinas e equipamentos (2,7%) registraram as maiores contribuições entre os oito setores que cresceram. Alimentos (-2,7%), veículos automotores (-1,4%), e couros e calçados (-1,6%) foram os que exerceram as maiores influências negativas.

 

Fonte Oficial: https://worldcambio.com.br/wp-content/uploads/2017/11/jornal-do-comercio-atividade-industrial-gaucha-mantem-estabilidade-em-setembro.br_conteudo/2017/11/economia/594873-atividade-industrial-gaucha-mantem-estabilidade-em-setembro.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!