Jornal do Comércio >> Ibovespa cai 2,55% com risco fiscal e influência externa

A bolsa brasileira reagiu com forte queda nesta terça-feira (7), à notícia de que o presidente Michel Temer admitiu a possibilidade de derrota na tentativa de fazer avançar a reforma da Previdência. O cenário internacional foi de alta do dólar e queda das bolsas, o que também não ajudou. Com isso, o Índice Bovespa terminou o dia em queda de 2,55%, aos 72.414,87 pontos. Os negócios somaram R$ 13 bilhões.

O Ibovespa já iniciou o dia em queda e acelerou as perdas gradualmente. Apesar de diversos integrantes do governo terem negado que Temer tivesse “jogado a toalha”, prevaleceram temores de rebaixamento do rating brasileiro, uma vez que as agências de classificação de risco relacionaram a manutenção da nota do País à aprovação da reforma. Outro temor foi o da possibilidade de elevação de tributos, devido ao seu impacto negativo para as empresas e a economia.

“As declarações do presidente não representaram surpresa para o mercado, mas foram recebidas como a constatação derradeira de que dificilmente teremos notícias positivas na parte política no atual governo”, disse Vladimir Pinto, gestor de renda variável da Grand Prix Asset.

A terça-feira foi de queda generalizada no Ibovespa, mas entre os principais destaques estiveram as ações que melhor refletem o risco político, como as estatais. Petrobras ON e PN caíram 4,59% e 5,34%, respectivamente. Banco do Brasil ON perdeu 5,01% no dia. Todos os papéis do setor financeiro, aliás, tiveram quedas significativas, que chegaram a superar os 3% no intraday, influenciados pelas especulações sobre rebaixamento de rating. No fechamento, destacavam-se também Bradesco PN (-3,05%) e Itaú Unibanco PN (-2,38%).

Alinhada à queda do minério de ferro e ao mau humor interno, Vale ON caiu 2,39% e influenciou o setor de siderurgia, com Usiminas PNA (-8,68%) à frente. Na contramão estiveram as ações da Eletrobras, que subiram 2,41% (ON)e 1,29% (PN), embaladas pela expectativa de privatização. Mais cedo, os papéis chegaram a subir mais de 5%, repercutindo a publicação do decreto do governo que regulamenta as condições para a venda da estatal.

Já para Ignacio Crespo, economista da Guide Investimentos, seria “muito simplista” atribuir a queda da bolsa exclusivamente ao cenário doméstico e ignorar as adversidades do ambiente externo para os países emergentes. Segundo ele, o mercado brasileiro seguiu ainda bastante alinhado aos demais emergentes, que refletem as incertezas quanto ao cenário norte-americano, às voltas com a reforma tributária e outras questões que podem gerar impacto nessas economias.

Fonte Oficial: https://worldcambio.com.br/wp-content/uploads/2017/11/jornal-do-comercio-ibovespa-cai-255-com-risco-fiscal-e-influencia-externa.br_conteudo/2017/11/economia/595117-ibovespa-cai-2-55-com-risco-fiscal-e-influencia-externa.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!