Valor >> Dólar retoma alta com exterior, mas em menor intensidade

SÃO PAULO  –  O dólar voltou a subir frente ao real nesta terça-feira, amparado tanto pelo ambiente externo, que novamente se voltou contra moedas emergentes, quanto pelo aumento do desconforto no campo político-econômico doméstico.

No fechamento, o dólar negociado no mercado interbancário subiu 0,50%, a R$ 3,2750. A moeda oscilou entre R$ 3,2881 e R$ 3,2545 ao longo do pregão.

No exterior, uma cesta de moedas emergentes renovava uma mínima em oito meses, sob o peso do rublo russo e da lira turca.

Investidores voltam a justificar o movimento negativo no câmbio emergente a partir de uma realização de lucros após a boa performance dessas divisas ao longo do ano. De fato, várias das divisas com pior desempenho desde o começo de setembro – quando teve início o declínio das moedas emergentes – são justamente as que tiveram melhor desempenho no ano até aquele período. A exceção fica com a lira turca e o rand sul-africano, que perdem mais do que haviam ganhado antes. Essas duas moedas são justamente as que mais têm sentido pressão idiossincrática nas últimas semanas.

Embolso de lucros

Variação* de moedas nos referidos períodos

Fonte: Valor PRO.

Observações: *Frente ao dólar americano.

O quadro externo voltou a pressionar hoje, mas desta vez o noticiário político local – que já vinha carecendo de boas notícias – preocupou investidores.

A expressão que tem circulado nas mesas de operação é que o presidente Michel Temer teria “jogado a toalha” em relação à reforma da Previdência. O comentário vem a partir da fala do presidente ontem, o qual admitiu que a PEC da reforma pode não ser votada em seu governo, que vai até o fim de 2018.

O secretário de acompanhamento econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, se apressou para dizer nesta terça-feira que o presidente Temer “não jogou a toalha” da reforma da Previdência. Na visão dele, Temer disse que vai tentar passar essa reforma, mas deixou claro que ela depende do Congresso Nacional, o que é normal em uma democracia. O secretário disse ainda que a incerteza em torno da reforma previdenciária está tendo impacto nas taxas de juros futuras no mercado para 2020. Para ele, dado o cenário de inflação baixa, essas taxas deveriam ser menores.

Para um gestor, o mercado já não mostrava consenso sobre a aprovação da reforma até 2018, mas o comentário de Temer deixa a sensação de que o esforço de negociação poderá ser menor ou de que o governo vê perda de apoio no Congresso maior do que a estimada pelo mercado.

Fonte Oficial: http://www.valor.com.br/financas/5185309/dolar-retoma-alta-com-exterior-mas-em-menor-intensidade.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!