Jornal do Comércio >> Bondholders da Oi pedem que Justiça afaste conselheiros de Tanure e Pharol

Os detentores de títulos internacionais (bondholders) da Oi representados por Moelis e G5 Evercore voltaram à carga contra os principais acionistas da tele, o empresário Nelson Tanure e a portuguesa Pharol. Em reação à nomeação de dois novos diretores estatutários na última sexta-feira, os credores foram à Justiça pedindo a restrição de direitos políticos dos sete conselheiros alinhados a esses acionistas, o afastamento dos diretores recém-eleitos, Hélio Costa e João Vicente Ribeiro, e o impedimento de voto do Societé Mondiale e da Bratel – veículos pelos quais Tanure e Pharol detém suas fatias na Oi – em questões relativas à recuperação judicial.

A petição foi encaminhada ao juiz da 7ª Vara Empresarial, Fernando Viana, na noite da terça-feira (7). A eleição da nova diretoria é classificada de “manobra ardilosa” e “claríssimo abuso de poder de controle”. O pedido também inclui a proibição de assinatura pela companhia do contrato de apoio ao plano de recuperação judicial (Plan Support Agreement – “PSA”) negociado pelos acionistas minoritários controladores sem que haja anuência judicial.

Uma versão de “PSA” também foi aprovada na reunião da semana passada. Até aquele momento a diretoria da Oi – formada então pelo presidente Marco Schroeder, o diretor administrativo e financeiro, Carlos Brandão, e o diretor jurídico, Eurico Teles Neto – vinha se opondo aos termos do acordo que teriam como apoiadores os bondholders do chamado G6. Na mesma reunião, o conselho também rejeitou uma proposta alternativa de recuperação para a operadora enviada por Moelis, G5 e FTI.

Os advogados de Moelis, G5 e de algumas agências de crédito às exportações credoras da Oi afirmam no documento conjunto que as medidas aprovadas pelo conselho de administração na última sexta-feira, 3, são “a epítome (cereja do bolo) do conflito de interesses e abuso de direito com que vêm agindo os acionistas que, embora minoritários, são os controladores das devedoras (Grupo Oi) ao longo de toda a recuperação judicial”. Juntos, Tanure e a Pharol detêm cerca de 27% do capital social da Oi.

“É uma medida muito dura, mas nesse caso necessária para conferir estabilidade e blindar o processo e a administração, para que ela possa negociar de forma independente (o plano de recuperação judicial)”, disse ao Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) o sócio do Pinheiro Neto, Giuliano Colombo, que representa o comitê diretivo de bondholders assessorado pela Moelis.

Caso o juiz Fernando Viana acate os pedidos, as decisões do conselho de administração ficarão nas mãos do atual presidente do órgão, José Mauro Carneiro da Cunha, e dos conselheiros independentes indicados pelo BNDES, Ricardo Reisen e Marcos Duarte. Ambos registram em ata sua contrariedade à eleição dos novos diretores na semana passada. Já a diretoria seguiria sob o comando de Schroeder, Brandão e Teles Neto.

Os advogados citam como precedente de intervenção judicial o caso Varig, no qual o ator principal foi o próprio Tanure. Em dezembro de 2005, ele adquiriu o controle acionário da aérea por meio da companhia Docas, às vésperas da votação de seu plano de recuperação judicial. Docas e a Fundação Rubem Berta pediram a desistência do processo, que já durava mais de 150 dias, mas o juiz da 1ª Vara Empresarial indeferiu o pedido e determinou o afastamento do controlador de qualquer ingerência política e administrativa na empresa. A Lei de Recuperação permite isso no seu artigo 64.

Apesar de terem tido sua proposta alternativa de plano de recuperação judicial negada por enquanto, os bondholders representados por Moelis e G5 – entre eles o fundo Aurelius e o GoldenTree – ainda tentam negociar com a companhia. O Broadcast apurou que haverá reuniões nesta quarta e na quinta-feira.

A primeira convocação da Assembleia Geral de Credores (AGC) da Oi está marcada para esta sexta-feira, 10, mas até agora ainda não há definição sobre os termos finais do plano que será apresentado no encontro. O grupo de trabalho do governo analisa o PSA aprovado na semana passada, acordo por meio do qual a diretoria da Oi se compromete a pagar credores que deem apoio ao plano de recuperação judicial da operadora.

De acordo com a agência, porém, o Conselho de Administração da empresa pediu um prazo de sete dias para que possa demonstrar que a aprovação e execução do PSA não oferecem risco à continuidade dos serviços oferecidos pela operadora. O pedido de prazo adicional será analisado pelo conselho diretor da agência.

Fonte Oficial: https://worldcambio.com.br/wp-content/uploads/2017/11/jornal-do-comercio-bondholders-da-oi-pedem-que-justica-afaste-conselheiros-de-tanure-e-pharol.br_conteudo/2017/11/economia/595224-bondholders-da-oi-pedem-que-justica-afaste-conselheiros-de-tanure-e-pharol.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!