Jornal do Comércio >> Juros longos fecham estáveis, após mau humor externo esfriar reação à Previdência

Os juros futuros de longo prazo fecharam a sessão regular desta quinta-feira estáveis, enquanto os demais mostraram viés de alta. Após passarem a manhã em baixa, dando sequência à reação positiva de quarta aos avanços do governo na reforma da Previdência, as taxas zeraram a queda no começo da tarde, após a abertura negativa das bolsas em Nova Iorque, e a partir de então, até o fechamento, oscilaram próximas dos níveis de quarta.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 encerrou em 7,28%, de 7,25% no ajuste de quarta e a do DI para janeiro de 2020 passou de 8,44% para 8,49%. A taxa do DI para janeiro de 2021 fechou estável em 9,27% e a do DI para janeiro de 2023 também terminou no mesmo patamar do ajuste anterior, em 10,03%.

O fio condutor do estresse no exterior são os riscos para a reforma tributária nos Estados Unidos, diante das divergências entre deputados e senadores republicanos sobre a proposta. Entre os pontos de conflito, os senadores defendem um adiamento no corte de impostos corporativos dos atuais 35% para 20% até 2019, segundo o Washington Post, o que reduziria em mais de US$ 100 bilhões seu impacto.

Contudo, o impacto na curva local foi considerado moderado comparativamente ao segmento de ações, por exemplo, que amarga fortes perdas. “O clima é de aversão ao risco, mas o Treasury de dez anos está comportado, o que reduz o impacto sobre os DIs”, afirmou o economista da Rio Gestão Bernard Gonin.

Às 16h27, em Wall Street, o S&P 500, que mais cedo recuava mais de 1%, reduzia um pouco as perdas, para 0,74%, mesma variação negativa mostrada pelo Dow Jones. A T-Note de dez anos projetava 2,324%, do nível de 2,33% na quarta. Aqui, o Ibovespa caía 1,36%, aos 73.351,89 pontos e o dólar à vista estava perto da estabilidade, cotado em R$ 3,2562 (-0,06%).

Por outro lado, no Brasil, o ambiente melhorou desde a quarta com o esforço do governo para votar o texto da Previdência ainda este ano. Para isso, alguns ajustes na proposta do relator da PEC, Arthur Maia (PPS-BA), estão sendo feitos.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que a discussão já está em andamento na Câmara dos Deputados e que o governo busca uma formatação que garanta uma economia que seja “substancialmente superior” à metade do efeito fiscal esperado na proposta original, que era de cerca R$ 800 bilhões em dez anos.

Segundo ele, apenas estabelecer a idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens e igualar os regimes de trabalhadores privados e servidores públicos não é suficiente para garantir essa economia.

Fonte Oficial: https://worldcambio.com.br/wp-content/uploads/2017/11/jornal-do-comercio-juros-longos-fecham-estaveis-apos-mau-humor-externo-esfriar-reacao-a-previdencia.br_conteudo/2017/11/economia/595533-juros-longos-fecham-estaveis-apos-mau-humor-externo-esfriar-reacao-a-previdencia.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!