Valor >> Ibovespa cai com EUA e dúvida sobre Previdência

SÃO PAULO  –  O desempenho negativo das bolsas americanas e as dúvidas sobre a aprovação da reforma da Previdência levaram o Ibovespa a fechar em baixa. O índice recuou 1,93% e ficou em 72.931 pontos com giro financeiro de R$ 7,03 bilhões, abaixo da média dos últimos 30 dias, de R$ 10,1 bilhões, o que mostra a cautela dos investidores em assumir posições compradas em ações.

Durante a tarde, o índice chegou a cair 2,11% no momento em que as bolsas americanas ampliaram as quedas com o risco de atraso na reforma tributária dos Estados Unidos. Os senadores do Partido Republicano estariam planejando propor o adiamento do corte de 35% para 20% nos impostos corporativos, segundo reportagem do jornal “Washington Post”. O S&P 500 caía 0,50%, o Nasdaq tinha baixa de 0,79% e o Dow Jones recuava 0,50%.

A bolsa de valores brasileira tem sofrido com a saída crescente dos investidores estrangeiros que estão realocando recursos dos países emergentes para os desenvolvidos, apostando na valorização do dólar. Neste mês, até o dia 7, os estrangeiros já tiraram R$ 1,77 bilhão da bolsa, praticamente o mesmo valor que foi sacado em todo o mês de outubro, de R$ 1,83 bilhão. Aliado a esse movimento permanece no radar dos investidores a preocupação com a aprovação da reforma da Previdência.

Entre as ações mais negociadas, os destaques de queda ficaram com os papéis da Eletrobras e das companhias siderúrgicas. As ações PNB da estatal tiveram a maior queda do dia, de 5,36%. Os investidores têm reagido às notícias sobre a privatização da estatal.

Na ponta oposta, as maiores altas do dia ficaram com os papéis ON da JBS, que subiram 5,82%, seguidas pelas ações ON da Fibria, que subiram 5,25% e as ações da Suzano Papel e Celulose, com ganho de 5,18%.

A ação da JBS subiu um dia após a Pilgrim´s Pride, controlada pela empresa, divulgar um lucro líquido de US$ 232,68 milhões no terceiro trimestre deste ano (encerrado em 24 de setembro), mais do que o dobro do registrado no mesmo período do ano passado.

As ações da Fibria e da Suzano sobem recuperando as perdas do dia anterior e também acompanham a London Pulp Week, que tem permitido boas negociações das empresas com clientes e analistas do mundo todo. A Fibria também prepara emissão de US$ 600 milhões em bônus com vencimento em 2025. Segundo fontes, o “yield” ficou em 4,25% ao ano.

Fonte Oficial: http://www.valor.com.br/financas/5188423/ibovespa-cai-com-eua-e-duvida-sobre-previdencia.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!