Jornal do Comércio >> Conab estima diminuição na safra de grãos

Agronegócios


Notícia da edição impressa de 10/11/2017.
Alterada em 09/11 às 20h36min

Conab estima diminuição na safra de grãos

Previsão para área plantada de soja é de 35,3 milhões de hectares

/CAMILA DOMINGUES/PALÁCIO PIRATINI/DIVULGAÇÃO/JC

A safra de grãos 2017/2018 deverá registrar redução de 4,4% a 6,2% em relação à safra passada, de acordo com levantamento divulgado ontem pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A expectativa é que a produção gire de 223,3 milhões a 227,5 milhões de toneladas.

A safra de 2016/2017 registrou 238 milhões de toneladas de grãos, a maior da história do Brasil. Segundo a Conab, a marca foi alcançada graças às boas condições climáticas, cenário que pode não se repetir no período do plantio e da colheita de 2017/2018.

“A safra passada foi excepcional em termos de produtividade; para este ano, também temos um prognóstico de uma excelente safra. Tivemos um pequeno atraso no plantio, mas, em algumas regiões, o clima está até melhor. As probabilidades apresentadas hoje são questões teóricas, temos que ver efetivamente o que vai acontecer, tendo em vista que o clima é uma variável que não se pode controlar”, disse o secretário substituto de política agrícola do Ministério da Agricultura, Sávio Pereira.

Ainda de acordo com o Pereira, um fator que poderá ser favorável para que a safra deste ano possa alcançar a produção anterior é o crescimento da área plantada. “Podemos ter um crescimento de até 2% na área plantada. Isso é muito importante. Nos últimos sete anos, a área plantada no Brasil cresceu cerca de 11 milhões a 12 milhões de hectares. Isso representa 1,7 milhão de hectares por ano”, destacou.

Segundo a pesquisa, os principais grãos cultivados no Brasil, a soja e o milho, deverão responder por cerca de 89% de toda a produção. A expectativa é que a colheita da soja fique entre 106,4 milhões e 108,6 milhões de toneladas. Já a do milho pode ficar entre 91,6 milhões e 93,1 milhões de toneladas.

A cultura do milho corresponde a uma área de cerca de 637,6 mil hectares. No caso da soja, responsável por quase a metade de toda a produção de grãos no País, a área plantada chega aos 35,3 milhões de hectares.

A Conab ainda estima que culturas como a de algodão, feijão-comum preto, mamona e o amendoim deverão ter crescimento na área plantada e também na produção. A pesquisa da Conab foi feita nos principais centros produtores do País, entre os dias 23 e 27 de outubro.

 

No Rio Grande do Sul, expectativa é de redução em todas as principais culturas

No Rio Grande do Sul, a previsão da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) também é de queda na produção de grãos em relação à safra passada. É estimada uma colheita total de 32,7 milhões a 33,8 milhões de toneladas nas lavouras gaúchas. Dessa forma, em relação a 2016/2017, a redução deve variar entre -8,6% e -5,7%.

A maior queda deve ocorrer no trigo, que já está sendo colhido. A Conab espera uma diminuição de 38,4% na colheita tritícola gaúcha, passando de 2,497 milhões de toneladas em 2016 para 1,538 milhão de toneladas em 2017.

Nos grãos de verão, a maior redução deve ocorrer na soja, com queda de até 19,4% ante 2016, alcançando 4,847 milhões de toneladas. Parte da diminuição deve-se à perda de espaço para a soja. Segundo a Conab, a área plantada de milho no Estado deve cair de 7,6% a 16,4%, alcançando um teto de 743,7 mil hectares.

Já a soja deve ter um incremento de área entre 1% e 3%, ficando em torno de 5,7 milhões de hectares. Mesmo assim, a cultura da oleaginosa deve ter uma queda de 5,5% a 7,4% na produção em relação ao ano passado, não ultrapassando 17,68 milhões de toneladas.

Para o arroz, a perspectiva é de queda na produção entre 3,7% e 6,1%, alcançando, no máximo, 8,4 milhões de toneladas. A área plantada, em relação a 2016, pode cair até 2,6%, chegando a 1,072 milhão de hectares.


Seja o primeiro a comentar esta notícia

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/11/economia/595581-conab-estima-diminuicao-na-safra-de-graos.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!