Jornal do Comércio >> Grupo Caoa compra 50% da chinesa e Chery no Brasil por US$ 60 milhões

O grupo Caoa, que é dono de concessionárias de três marcas e produz automóveis da Hyundai em Anápolis (GO), decidiu apostar no crescimento da chinesa Chery no Brasil. A empresa brasileira adquiriu 50% da operação local da montadora chinesa, conforme acordo anunciado hoje. A companhia pagará cerca de US$ 60 milhões pelo negócio, que inclui uma fábrica na cidade paulista de Jacareí e a rede de revendas.

Inaugurada em junho de 2014, pouco antes da eclosão da crise econômica que fez o Produto Interno Bruto (PIB) recuar nos três anos seguintes, a fábrica da Chery consumiu US$ 400 milhões em investimentos e tem capacidade para produzir até 50 mil carros por ano. A companhia, no entanto, nunca chegou a montar mais de 10 mil unidades ao ano. A Chery buscava um sócio para a operação brasileira desde o início do ano passado.

A Caoa começou a negociar a parceria com os chineses ainda em 2016, conta o presidente do grupo, Mauro Correia. Depois de um período em que as conversas foram interrompidas, as partes voltaram a se falar neste ano. Entre idas e vindas, o executivo diz que as conversas levaram menos de 18 meses, o que ele considera um período curto para um acordo desse porte. A nova empresa passará a se chamar Caoa Chery.

Correia espera que o conhecimento que a Caoa tem do mercado local possa ajudá-la a concretizar projetos que a Chery, sozinha, não conseguiu levar adiante. Além de produzir carros da Hyundai, a companhia nacional tem concessionárias da marca coreana, da japonesa Subaru e da americana Ford.

Planos. De acordo com Correia, os planos para os próximos anos são ambiciosos: o objetivo da Caoa é lançar novos produtos a partir de 2018 para chegar, depois de um período de cinco anos, a uma participação de 5% no mercado brasileiro de automóveis. “Vamos complementar o portfólio e também reforçar a rede de distribuição, além de usar a nossa capacidade de marketing”, diz o executivo. “Acredito que essa meta é até conservadora.”

Atualmente, a Chery tem apenas dois modelos produzidos no Brasil: o QQ, carro mais barato do País, e o Celer. A companhia tem na manga outros produtos que teriam boa aceitação no Brasil, de acordo com Correia. Os automóveis da chinesa poderiam ser opção de bom custo-benefício para que consumidores que hoje usam carros mais básicos possam ter acesso a opções de veículos de maior valor agregado.

“Vamos oferecer produtos com tecnologia de ponta e design moderno para que o consumidor possa acessar uma nova categoria, a preços bem competitivos”, diz o presidente da Caoa. O executivo não revelou quais modelos pretende trazer ao Brasil, mas a própria Chery chegou a anunciar investimentos ambiciosos em projetos como o SUV Tiggo, que acabaram sendo adiados por causa da forte retração do mercado no País.

Atingir a meta de 5% de mercado faria a Chery ter uma fatia superior à exibida hoje por concorrentes como a Nissan e a Jeep – que detêm, respectivamente, 2,98% e 3,87% do total de emplacamentos de veículos, segundo o relatório da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) referente a outubro. Hoje, a liderança do setor de veículos é da americana General Motors, com 19,33%, seguida pela Ford (11,07%), Volkswagen (10,71%), Hyundai (10,31%) e Fiat (8,93%).

Produção. Além de reduzir a capacidade ociosa da unidade da Chery em Jacareí, a companhia também deverá usar parte de sua unidade em Anápolis (GO) para a produção de veículos da montadora chinesa. Correia, da Caoa, afirma que a unidade da Chery foi planejada em formato modular, o que amplia a versatilidade da produção, que permite a troca mais constante do portfólio produzido. Ou seja: é fabricado um menor número de unidades, com variedade maior de modelos.

Em relação ao desempenho geral do mercado, Correia diz preferir um crescimento moderado e constante do que um novo “pico” de produção, como o vivido pelo Brasil no início da década. Ele acredita que o setor de veículos deve fechar o ano com volume de 2,1 milhões a 2,2 milhões de unidades, com nova expansão moderada em 2018. Para que os projetos de montadoras sejam economicamente viáveis no Brasil, o executivo diz que será preciso pensar o País como plataforma de exportação.

Fonte Oficial: https://worldcambio.com.br/wp-content/uploads/2017/11/jornal-do-comercio-grupo-caoa-compra-50-da-chinesa-e-chery-no-brasil-por-us-60-milhoes.br_conteudo/2017/11/economia/595852-grupo-caoa-compra-50-da-chinesa-e-chery-no-brasil-por-us-60-milhoes.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!