Jornal do Comércio >> Kroton eleva provisões para inadimplência para 12,5% da receita

A Kroton reportou aumento das provisões para inadimplência no terceiro trimestre de 2017 ante igual período do ano anterior. A provisão para créditos de liquidação duvidosa na companhia atingiu 12,5% da receita líquida entre julho e setembro deste ano, aumento de 4 pontos porcentuais ante os 8,5% de igual período do ano passado.

No terceiro trimestre, o montante total provisionado chegou a R$ 165,5 milhões.

O aumento nas provisões é explicado em parte pelo crescimento da base de alunos com financiamento privado. A Kroton provisiona metade do montante parcelado por alunos que aderem ao PEP, programa de parcelamento de mensalidades oferecido pela companhia.

A provisão no ensino presencial representou 13,6% da receita líquida dessa modalidade de ensino, um aumento de 4,6 pontos porcentuais na comparação com igual período do ano anterior.

A Kroton destacou, no entanto, que caiu a provisão no caso dos alunos pagantes, ou seja, desconsiderando o efeito dos financiamentos. Considerando apenas esses alunos sem financiamento, a provisão é de 7,4% da receita líquida, uma melhora ante os 7,2% do mesmo período do ano anterior. De acordo com a companhia, é a primeira vez que se observa uma melhora nesse item desde o começo de 2016, algo que a empresa atribuiu a um maior nível de recuperação de recebíveis em atraso.

No ensino a distância, o nível de provisionamento também subiu: chegou a 9,2% da receita, crescendo 1,4 ponto na comparação com o mesmo período do ano passado.

De acordo com a Kroton, a provisão no EAD tem sofrido uma elevação gradual em razão do crescimento de cursos 100% online, nos quais a evasão é maior. Também contribuiu para essa alta o início da oferta de parcelamento a estudantes do EAD que se matriculam tardiamente.

A Kroton reportou crescimento do tíquete médio tanto no ensino presencial como na modalidade à distância no terceiro trimestre de 2017. Nos cursos presenciais, o valor médio cresceu 8,6% e, no EAD, 3,6%, quando comparados com o mesmo período do ano passado.

O tíquete médio da Kroton no ensino presencial chegou a R$ 862,6 no terceiro trimestre deste ano. Na comparação com o segundo trimestre, o aumento foi de 0,8%.

A companhia afirmou em sua divulgação de resultados que o tíquete subiu no ensino presencial como um reflexo do aumento no número de alunos pagantes, ou seja, sem financiamento. Também aumentou a participação de cursos de mensalidades mais elevadas no total da base de estudantes.

Cursos de engenharia e saúde, que são mais caros, atingiram 50% do total de matrículas de novos alunos no processo de captação do segundo semestre, segundo a Kroton. A companhia afirmou que é a segunda vez consecutiva em que esse tipo de curso é escolhido por mais da metade dos ingressantes.

No ensino a distância, o tíquete médio chegou a R$ 266,8 no terceiro trimestre deste ano, ante R$ 257,63 em igual período do ano passado. Na comparação com o segundo trimestre deste ano, a alta foi de 2%.

A Kroton considerou que esse aumento no EAD é consequência de reajustes anuais de mensalidades e aumento da oferta de cursos “premium”. Nesses cursos, as mensalidades chegam a ser o dobro das cobradas em cursos mais tradicionais à distância.

Fonte Oficial: https://worldcambio.com.br/wp-content/uploads/2017/11/jornal-do-comercio-bolsas-de-nova-iorque-fecham-sem-direcao-unica-com-reforma-tributaria-e-balancos.br_conteudo/2017/11/economia/595796-kroton-eleva-provisoes-para-inadimplencia-para-12-5-da-receita.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!