Jornal do Comércio >> Falta de recursos ameaça políticas de APL

A política pública de apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs) gaúchos – aglomerados de empresas geograficamente próximas que apresentam especialização produtiva e mantêm vínculos de cooperação entre si e outros atores – viveu dias de fartura desde que o Estado obteve acesso a empréstimo de US$ 903,5 milhões do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird), em 2012, que financiou o Programa de Apoio à Retomada do Desenvolvimento do Rio Grande do Sul (Proredes).

Em quatro anos, foram destinados cerca de R$ 24 milhões exclusivamente a APLs enquadrados, além de aproximadamente R$ 1 milhão por ano via consulta popular, conta o coordenador do Projeto APL na Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (Sdect), Daian de Souza.

O que tem tirado o sono dos defensores desse tipo de investimento público é que a fonte do Bird seca no primeiro semestre de 2018. “Estamos em uma luta interna para manter o programa funcionando, buscando outra fonte além do orçamento anual”, afirma Souza. A estimativa do órgão é de que sejam necessários pelo menos R$ 3,2 milhões ao ano para manter o programa “em um bom ritmo”, atendendo cerca de 10 APLs. “Alguns deles já estão estruturados o bastante para andar com as próprias pernas, mas outros ainda são incipientes, em fase de reconhecimento, e podem não completar o ciclo de estruturação”, argumenta.

Em março de 2018, está prevista apresentação de resultados à comitiva do Bird, mas mesmo um novo empréstimo similar parece distante. “Tem que passar por uma aprovação. Demora de dois a três anos para chegar o primeiro pila – ou o primeiro dólar”, relata o coordenador.

O governo estadual trabalha com dois tipos de editais: um de apoio à governança, para que os arranjos incipientes possam organizar minimamente a cadeia, criar um plano de desenvolvimento e contratar consultorias e gerenciador executivo; e outro direcionado a projetos prioritários, em que APLs já constituídos pedem verbas para objetivos específicos, como erguer um centro de armazenamento comunitário de produtos ou um plano de marketing. O mais recente venceu em fevereiro, oferecendo R$ 7,6 milhões para 16 projetos prioritários a serem executados até meados do próximo ano. Quinze foram selecionados, e a liberação é gradual e ainda ocorre. Além disso, sete arranjos são beneficiados em governança, com valores entre R$ 100 mil e R$ 150 mil.

Em 2012, a verba do Bird foi o impulso que o governo Tarso Genro (2011-2014) precisava para retomar a política, iniciada na gestão de Olívio Dutra (1999-2002), com a execução de cerca de R$ 23 milhões em três anos – e que, apesar de mantida nos governos seguintes, perdeu força nesse meio tempo.

Com a alta nos recursos, o número de APLs enquadrados também disparou na extinta Agência de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI), hoje escritório vinculado à Sdect. Lista mais recente do órgão aponta a existência de 33 arranjos produtivos locais, sendo cinco reconhecidos e 28 enquadrados – ainda que alguns tradicionais APLs gaúchos, como o coureiro-calçadista, estejam ausentes. Na gestão de Olívio, eles eram apenas cinco no total.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/11/economia/595528-falta-de-recursos-ameaca-politicas-de-apl.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!