Jornal do Comércio >> Honda considera improvável que fábrica pronta comece a operar em 2018

Como o mercado brasileiro de veículos se recupera de forma lenta, a montadora japonesa Honda acredita que é improvável que sua segunda fábrica de automóveis no Brasil, localizada em Itirapina, no interior de São Paulo, e pronta há dois anos e meio, comece a produzir em 2018, afirmou nesta segunda-feira o presidente da empresa para a América do Sul, Issao Mizoguchi, em entrevista a jornalistas durante abertura do Salão Duas Rodas, em São Paulo.

“O crescimento das vendas que estamos esperando para o ano que vem pode ser absorvido pela nossa fábrica em Sumaré a primeira de automóveis da Honda no Brasil e a única em operação, também no interior de São Paulo”, disse o executivo, sem revelar qual é a projeção da empresa para 2018. “Eu não tenho bola de cristal”, justificou.

Sem operar a segunda fábrica no Brasil, a montadora deixa de criar 2 mil empregos diretos. A nova unidade, que recebeu investimento de R$ 1 bilhão, ficou pronta em abril de 2015 e o início da produção era esperado para o segundo semestre daquele ano.

A crise econômica, no entanto, adiou os planos da Honda, que avaliou que, com a forte queda do mercado, de 26% em 2015, não havia demanda suficiente para justificar a operação de uma segunda fábrica. Em um primeiro momento, a inauguração foi adiada para o primeiro semestre de 2016, mas, com o agravamento da crise, que resultou em retração de 20% em 2016, a empresa passou a dizer que não havia mais previsão. Se realmente não começar a operar em 2018, a nova fábrica vai passar pelo menos três anos sem produzir um único carro.

A unidade de Sumaré tem condições de produzir cerca de 120 mil automóveis por ano e tem operado em volumes próximos disso. A de Itirapina tem a mesma capacidade e, segundo o presidente da montadora para a América do Sul, só valerá a pena dar início à operação se a produção atingir pelo menos a metade disso, ou 60 mil unidades por ano, o equivalente a um turno de trabalho para os funcionários.

Para chegar a esse nível de produção na segunda fábrica, portanto, o mercado total de automóveis no Brasil teria de crescer 50% em 2018, desempenho considerado improvável pelo executivo.

Em 2017, o mercado brasileiro de automóveis acumula, de janeiro a outubro, crescimento de 10,6% em relação a igual período do ano passado, com o emplacamento de 1,51 milhão de unidades. A Honda, por sua vez, nesse segmento, apresentou expansão de 7,9%, com a venda de 108,4 mil unidades.

Fonte Oficial: https://worldcambio.com.br/wp-content/uploads/2017/11/jornal-do-comercio-honda-considera-improvavel-que-fabrica-pronta-comece-a-operar-em-2018.br_conteudo/2017/11/economia/596121-honda-considera-improvavel-que-fabrica-pronta-comece-a-operar-em-2018.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!