Jornal do Comércio >> IFI: receita recorrente tem alta real de 1,1% no ano até setembro

A receita recorrente do governo federal obtida com o pagamento regular de tributos tem contribuído para a recuperação da arrecadação, segundo o Instituto Fiscal Independente (IFI) do Senado. No acumulado do ano até setembro, o avanço real (acima da inflação) foi de 1,1%, o que mostra estabilidade depois de meses de queda nas receitas.

Apesar disso, o IFI alerta que a recuperação é insuficiente para fazer frente à expansão de despesas. Enquanto os gastos primários subiram R$ 6 bilhões nos três primeiros trimestres, o avanço da receita líquida foi de R$ 1,7 bilhão.

O governo reduziu pagamentos em gastos discricionários, como custeio e investimento, e freou a concessão de subsídios e subvenções. Mas isso só foi suficiente para “amortecer o robusto avanço de despesas com pessoal e encargos (R$ 19,6 bilhões ou 10,3% no acumulado ano) e transferências de renda (R$ 24,3 bilhões ou 5%) – equivalentes a quase 80% do gasto primário”.

As transferências de renda incluem os benefícios previdenciários (expansão de R$ 26 bilhões ou 6,8%) e assistenciais (R$ 2,3 bilhões ou 6,1%), além dos gastos com o abono salarial e seguro desemprego (recuo de R$ 3,9 bilhões ou 8,6%) e o programa Bolsa Família (recuo de R$ 107 milhões ou 0,5%).

A IFI projeta um resultado primário negativo em R$ 155,357 bilhões no ano que vem, dentro portanto da meta de déficit de R$ 159 bilhões.

Fonte Oficial: https://worldcambio.com.br/wp-content/uploads/2017/11/jornal-do-comercio-ifi-receita-recorrente-tem-alta-real-de-11-no-ano-ate-setembro.br_conteudo/2017/11/economia/596048-ifi-receita-recorrente-tem-alta-real-de-1-1-no-ano-ate-setembro.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!