Jornal do Comércio >> Crise de dívida da Venezuela pode afetar preços do óleo

Os preços do petróleo caíram nesta semana em meio a preocupações quanto ao aumento dos estoques de petróleo bruto e ao enfraquecimento da demanda. Por enquanto, essas preocupações estão ofuscando o impacto potencial de default venezuelano.

A Venezuela já foi uma das nações mais ricas da América do Sul, devido às suas reservas de petróleo, as maiores do mundo. Mas as agências de classificação de risco declararam, nesta semana, default do país, depois que deixou de pagar US$ 200 milhões em cupons de bônus com vencimento em 2019 e em 2024 dentro do período de carência de 30 dias. As quantias deveriam ter sido pagas em 13 de outubro.

A Rússia concordou ontem em reestruturar mais de US$ 3 bilhões na dívida venezuelana, dando ao país 10 anos para devolvê-los. A Venezuela ainda deve negociar com outros credores, que agora podem aguardar pagamentos ou iniciar o processo de negociação para reestruturar a dívida.

Michael Tran, diretor de estratégia energética da RBC Capital Markets, disse que a turbulência provavelmente aumentará a pressão sobre a produção de petróleo bruto da Venezuela, que já caiu cerca de 20% desde 2012, em meio a uma queda global nos preços do petróleo e à piora da situação econômica do país. Com os estoques de petróleo bruto novamente em ascensão, a crescente piora financeira da Venezuela pode dar impulso aos preços do petróleo ao consumir o suprimento, segundo alguns.

Os dados desta semana mostraram altas maiores do que o esperado nos estoques de petróleo bruto, enquanto outro relatório questionou as perspectivas de demanda. Isso ajudou a reduzir os preços mundiais do petróleo em mais de 2% nesta semana. Ontem, na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para dezembro caiu 0,66%, a US$ 55,33 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do tipo Brent para janeiro recuou 0,55%, a US$ 61,87.

Analistas da Goldman Sachs advertiram, na semana passada, que a reestruturação da dívida da Venezuela “aumentaria riscos logísticos para as exportações de petróleo, além de potencialmente gerar aversão ao risco por parte dos compradores”. A reestruturação deveria, em teoria, liberar mais dinheiro; mas, se o processo se arrastar, pode restringir ainda mais a capacidade da Venezuela de extrair e exportar petróleo.

Fonte Oficial: https://worldcambio.com.br/wp-content/uploads/2017/11/jornal-do-comercio-crise-de-divida-da-venezuela-pode-afetar-precos-do-oleo.br_conteudo/2017/11/economia/596482-crise-de-divida-da-venezuela-pode-afetar-precos-do-oleo.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!