Jornal do Comércio >> Black Friday demanda preparo do setor de TI

Muitos acessos ao mesmo tempo em um site podem comprometer o servidor que dá suporte aos movimentos de cliques de usuários. Essa é uma das principais preocupações para quem expõe e comercializa produtos em e-commerce na Black Friday, marcada para o próximo dia 24. Assim, empresas de Tecnologia da Informação (TI) precisam estar preparadas para manter o acesso das lojas virtuais nas 48 horas, um dia antes da data e no dia das superpromoções, em que o público mais efetua encomendas on-line. 

Segundo estimativa do Ebit, empresa referência em dados sobre o e-commerce brasileiro, o varejo eletrônico deverá faturar R$ 110,2 milhões com pedidos provenientes do Rio Grande do Sul durante a data. O valor corresponde a 5,1% do total nacional, estimado em R$ 2,19 bilhões. Outro detalhe é que a Black Friday já é considerada a segunda principal data de vendas do varejo no País. 

A WebContinental, que integra o Grupo Infoar em Porto Alegre, é uma das empresas responsáveis por turbinar os servidores meses antes de acontecer a data promocional. A empresa – que já atua em sua quarta edição da campanha – faz marketplace desde 2007, comercializando produtos virtualmente em um portal ativo 24 horas do dia. Neste ano, a data fez com que o diretor do Grupo Infoar, Rogério Antoniazi, e sua equipe composta por cerca de 200 pessoas transformassem as instalações da Infoar em um verdadeiro “campo de guerra” para a promoção.

Sistema, internet, sites e banco de dados são as ferramentas que precisam receber capacidade para executar normalmente, sem entraves ou lentidão, mesmo contabilizando milhares de acessos. Por isso, seis meses antes da Black Friday, a WebContinental já vem se preparando para a data que, como afirma Antoniazi, “garante o Natal de todo mundo”. Os funcionários fazem plantões de pelo menos 12 horas por dia para planejar ações que facilitem o tráfego nas lojas virtuais – que somam mais de 500 fabricantes diretos e 100 mil itens em vitrine.

“Queremos garantir tecnologia para suportar a data”, enfatiza o diretor do Grupo Infoar. Os produtos que devem ser campeões em venda são refrigerador duplex, ar-condicionado, cooktop (fogão de bancada), coifa para cozinha planejada e eletroportáteis. “A pressão se concentra toda próximo ao dia da Black Friday, e por isso trabalhamos a todo vapor próximo a data”, conta. Segundo ele, durante a primeira quinzena de novembro, o movimento de vendas diminui, já que o público consome só o necessário e deve realizar as pesquisas do que pretende adquirir durante a data, quando a comercialização triplica.

A segurança na hora da compra é um ponto incentivado pelo programa Black Friday Legal, que alerta os empresários virtuais a ficarem ligados à legislação do e-commerce, em vigor desde o início de novembro. Ela prevê punição para lojistas que não respeitarem os direitos do consumidor, captando propagandas enganosas ou abusivas. A informação foi repassada pela advogada Marcia Ottoni, consultora da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net) que destaca aspectos legais do comércio eletrônico.

O Decreto Federal nº 7.962, de 2013, exige que a loja virtual facilite o atendimento ao consumidor, informando no site os dados de pessoa jurídica, razão social, endereço físico, meios de contato eletrônico (telefone, chat, e-mail, WhatsApp etc.). Para os lojistas aproveitarem o período aquecido de compras na internet da forma mais eficaz, Thiago Lima, especialista em inovação digital e CEO do LinkApi, lista as falhas mais comuns para que sejam alvo de medidas preventivas. Nos pecados capitais dos sites está a lentidão do sistema – que faz o cliente trocar para a concorrência.

Lentidão de sistemas

Aumento de acessos pode ocasionar lentidão na plataforma do e-commerce, uma das principais falhas que irritam o cliente, que pode até mesmo desistir de efetuar a compra. Para evitar essa questão é importante alinhar com o suporte da plataforma ou com a equipe de TI quais as mudanças tecnológicas para comportar o aumento de fluxo.

Preços errados

Na maioria dos casos, problemas de precificação estão relacionados a alterações manuais. A melhor forma de prevenção é automatizar os processos relacionados à mudança de preços e monitorar constantemente.

Problemas com o estoque

Cancelamentos de compras e vendas em multiplataformas são alguns dos fatores que podem causar dores de cabeça aos lojistas. Para solucionar essa questão, a integração entre a plataforma do e-commerce e sistemas de ERP (Enterprise Resource Planning) e marketplaces é essencial.

Demora na entrega

Para isso, empreendedores apostam na integração entre os sistemas de logística e a plataforma de vendas.

 

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/11/economia/596663-black-friday-demanda-preparo-do-setor-de-ti.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!