Jornal do Comércio >> Shanghai e Eletrosul firmam acordo

As empresas Eletrosul e Shanghai Electric contarão com o apoio do fundo chinês Clai Fund para formar a Sociedade de Propósito Específico (SPE) que irá concluir uma série de obras de transmissão de energia que serão feitas no Estado. Na configuração final da SPE, a Shanghai Electric e o Clai Fund deterão parcelas que totalizarão 69% de participação na SPE, e a Eletrosul responderá por 31%.

Os empreendimentos contemplarão cerca de 2 mil quilômetros de linhas de transmissão, sendo oito linhas de 525 kV e nove linhas de 230 kV, além de oito subestações (três em 525 kV e cinco em 230 kV) e a ampliação de 13 subestações existentes. As estruturas serão instaladas em municípios como Santa Vitória do Palmar, Rio Grande, Santana do Livramento, Osório, Candiota, entre outros. Inicialmente, o investimento previsto era de R$ 3,3 bilhões, contudo houve a correção dos valores, e agora o aporte é estimado em R$ 3,9 bilhões. O direito de fazer essas obras e ser remunerada por isso foi conquistado pela Eletrosul em um leilão realizado em 2014, no qual a estatal arrematou os projetos contidos no Lote A daquele certame.

Os complexos deveriam, pelo contrato original, ser finalizados até 6 de março de 2018 (o que não será possível). Problemas financeiros impediram a Eletrosul de ir adiante com as iniciativas. Em junho, a companhia brasileira firmou com a Shanghai Electric um contrato preliminar para o repasse dos projetos. Na sexta-feira, os presidentes das empresas assinaram, no Palácio Piratini, em Porto Alegre, um acordo oficializando a parceria. As companhias ainda precisam submeter à aprovação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a SPE formada. O presidente da Eletrosul, Gilberto Eggers, acredita que dificilmente haverá problemas quanto a isso, o único ponto que o dirigente admite que pode ter uma interpretação diferente entre as partes é o percentual de participação das empresas na SPE. “Mas a Eletrosul está bem consciente que a companhia consegue fazer os 31% dos investimentos e, nos próximos meses, vamos demonstrar isso para a Aneel”, afirma. Eggers frisa que, devido às dificuldades financeiras que a estatal brasileira tem enfrentado nos últimos três anos, a empresa concentrará todos os esforços para viabilizar esse conjunto de obras de transmissão. O dirigente adianta que a companhia, provavelmente, não terá projetos concorrendo nos leilões de geração de energia marcados pelo governo federal para dezembro.

Sobre as obras de transmissão, Eggers diz que será avaliada ainda a procedência dos financiamentos, se serão de mecanismos chineses, do Bndes ou uma combinação de ambas as fontes. Conforme determinação da Aneel, a SPE terá que ser constituída até o final de abril. Depois desse prazo, com a transferência da concessão, as obras poderão começar. O órgão regulador também definiu o tempo máximo para concluir os trabalhos em 48 meses. Entretanto, se conseguir finalizar os empreendimentos em até 36 meses, a SPE poderá receber a Receita Anual Permitida de forma antecipada. Eggers revela que a Aneel decidiu que possíveis penalidades à Eletrosul, devido ao atraso dos serviços, serão tratadas em um segundo momento. “A Eletrosul, apesar das dificuldades, sempre procurou agir proativamente, e isso acreditamos que será um atenuante”, frisa.

A experiência do grupo chinês e a capacidade da empresa em realizar obras da área de energia em qualquer lugar do mundo foram pontos destacados pelo presidente da Shanghai Electric, Xue Weiping, durante o encontro no Palácio Piratini. Além disso, o dirigente enfatizou que está otimista com a parceria com a Eletrosul e que a percepção é que a economia brasileira já saiu da crise e está preparada para retomar o crescimento.

O governador José Ivo Sartori afirmou que, com o acordo, haverá segurança energética para quem quiser investir no Rio Grande do Sul. O secretário de Minas e Energia, Artur Lemos Júnior, calcula que serão gerados mais de 10 mil empregos, diretos e indiretos, com a implantação dos empreendimentos.

Apesar de celebrar o bom encaminhamento dos projetos do segmento de transmissão, Lemos comenta que, mesmo assim, dificilmente os projetos eólicos gaúchos que pretendiam concorrer no leilão de energia A-4 (quatro anos para as usinas iniciarem as atividades), marcado para dezembro, terão condições de participar do certame. Isso porque, muito possivelmente, as obras de transmissão não ficarão prontas a tempo para escoar a energia dos parques eólicos.

O mais provável é que os empreendimentos participem do leilão A-6 (seis anos para a conclusão dos complexos), que tem um prazo maior para a implantação das usinas.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/11/economia/596940-shanghai-e-eletrosul-firmam-acordo.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!