Jornal do Comércio >> Bolsa tem alta de 1,58% com exterior e Previdência

O clima de otimismo no mercado internacional foi determinante para o bom desempenho do Índice Bovespa, que operou em alta durante todo o pregão de ontem e fechou com ganho de 1,58%, aos 74.594 pontos. Os esforços do governo na articulação para a votação da reforma da Previdência também foram citados como influência positiva para os negócios, embora o tema ainda esteja cercado de cautela. O volume de negócios somou R$ 13,6 bilhões, inflado pelos R$ 3,59 bilhões movimentados no exercício de opções sobre ações.

A valorização firme das ações levou em conta não apenas as altas das bolsas de Nova Iorque no dia, mas também os seus ganhos na véspera. Na ocasião, os ADRs brasileiros subiram, enquanto o mercado brasileiro estava fechado, em razão do feriado em São Paulo. Em Wall Street, os índices de ações continuaram a renovar máximas históricas em função das expectativas de incentivo à economia dos EUA por meio da reforma tributária que está em tramitação.

Na máxima do dia, registrada à tarde, o Ibovespa chegou aos 75.073,28 pontos ( 2,23%). A alta teve como destaque as ações do setor financeiro, elétrico e mineração. Com petróleo em alta, as ações da Petrobras subiram durante a maior parte do dia, mas perderam fôlego no final e recuaram. Por outro lado, Vale ON avançou 3,43%, apesar da baixa do minério de ferro. Entre os bancos, os destaques ficaram com Bradesco PN ( 2,29%) e Itaú Unibanco PN ( 2,00%).

A melhora da percepção com o cenário político esteve sustentada em boa medida em informações de que, com os esforços do governo, a Previdência poderá ser votada na Câmara na primeira semana de dezembro. Mas a cautela ainda esteve bastante presente. À tarde, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que ainda é preciso ouvir os líderes partidários para saber quantos votos há a favor da reforma. Ele, no entanto, admitiu que não há os 308 votos necessários para aprovar o novo texto. “Acho que está longe”, disse.

O dólar se firmou no campo negativo e bateu cotações mínimas na tarde de ontem, acompanhando o movimento da moeda norte-americana no exterior e refletindo o cenário mais favorável para moedas de países emergentes.

No campo doméstico, a expectativa de que a reforma da Previdência seja votada na Câmara dos Deputados ainda neste ano, em meio às negociações para a reforma ministerial, reacendeu o otimismo dos investidores. Na reta final do pregão, porém, a valorização do real perdeu intensidade após declarações de parlamentares do DEM de que não há votos suficientes para aprovar a reforma da Previdência. O dólar à vista fechou em baixa de 0,32%, a R$ 3,2518. O giro financeiro foi de US$ 2,168 bilhões.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/11/economia/597550-bolsa-tem-alta-de-1-58-com-exterior-e-previdencia.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!