Jornal do Comércio >> Tesouro nega pré-acordo do Rio Grande do Sul para aderir a regime fiscal

A Secretaria do Tesouro Nacional (STN) negou a assinatura de pré-acordo para que o Rio Grande do Sul possa aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) do governo federal. O parecer da STN, comunicado na noite dessa quarta-feira (22) ao governo estadual e disponível no site do órgão federal, justifica que o Estado não atendeu a um dos três requisitos para acessar o pré-acordo do RRF, considerado um caminho para amenizar a crise das finanças estaduais nos próximos anos. O governador José Ivo Sartori (PMDB) enviou à Assembleia Legislativa pacote de projetos, incluindo venda de estatais, parta se adaptar ao regime.  

O que abortou o pré-acordo foi justamente a situação de gastos do governo estadual, que não ficou abaixo do que é considerado de calamidade para que um estado busque as benesses do RRF. Pelos números analisados pelos técnicos do Tesouro e que foram apresentados pela Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz), o Rio Grande do Sul não alcançou o comprometimento de, no mínimo, 70% da despesa corrente líquida com pessoal e dívida em 2016. O percentual ficou em 58%. Ou seja, ao gastar menos o Estado recebeu parecer desfavorável.

A situação é confirmada pela assessoria de imprensa da Sefaz, que deve emitir nota oficial sobre o impacto dessa decisão. A secretária substituta do STN, Pricilla Maria Santana, telefonou na noite de quarta diretamente ao titular da Sefaz, Giovani Feltes, para comunicar o teor do parecer. O governo agora vai com tudo para a comissão de conciliação, que foi proposta pelo próprio Estado, para tentar reverter o parecer.

Segundo a Fazenda, o acerto para acessar o regime se baseia em números do ano anterior ao da negociação. Em 2016, houve ingresso de R$ 1,250 bilhão da venda da folha de pessoal para o Banrisul e ainda houve o cancelamento de pagamento da dívida com a União por meio ano. Só nesta suspensão a economia para a despesa do ano passado foi de R$ 2 bilhões.  

Pior é que se não conseguir garantir a adesão ao RRF em 2017, tudo terá de ser refeito com base em situação das despesas de 2017. Com isso, o risco de não atender novamente ao mínimo de gastos pode ressurgir, já que este ano o pagamento da parcela da dívida está suspenso, devido à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), e também há expectativa de que ingresse o dinheiro da venda de parte das ações do Estado o Banrisul. O esforço para conseguir dinheiro – seja pelos cortes, redução de gastos e obtenção de novas fontes -, de forma irônica, está gerando obstáculos para acertar o acordo que ajudaria as finanças gaúchas. 

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/11/economia/597862-tesouro-nega-pre-acordo-do-rio-grande-do-sul-para-aderir-a-regime-fiscal.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!