Congresso debate danos da especulação financeira – Jornal do Comércio

Os danos que o sistema financeiro causa ao setor produtivo e aos recursos públicos são o foco do mais recente livro do economista Ladislau Dowbor, professor de pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, que estará na Capital na quinta-feira, 30 de novembro. Em evento aberto ao público, Dowbor fará a abertura do XXVII Congresso da Federação Nacional dos Servidores dos Tribunais de Contas do Brasil (Fenastc) falando sobre o seu mais recente livro, A era do capital improdutivo (Ed. Outras Palavras e Autonomia Literária), que pode ser baixado gratuitamente no blog dowbor.org/principais-livros.

Para Dowbor, um dos maiores problemas do sistema financeiro mundial é reduzir a atratividade sobre a produção, que gera produtos reais e empregos, em favorecimento à aplicação em “papéis”. Dowbor não trata a destinação desses recursos como investimento, palavra que ele reserva a recursos destinados à economia real e à produção de bens e serviços. “A financeirização não gera um sapato sequer, mas uma aplicação financeira rende, em média, 7% real, sem considerar inflação, enquanto a produção gera ganhos de 2,5% em média, deteriorando a capacidade da economia produtiva”, diz.

O economista explica que o livro traz a síntese dos estudos feitos nos últimos anos sobre o sistema financeiro unida a dados e pesquisas recentes que demonstram a necessidade de regulação desse sistema. A ideia, explica Dowbor, é estimular a formatação de processos regulatórios que controlem o poder dessas corporações. O sistema financeiro, diz o economista, impede que governos realizem políticas públicas, asfixia a capacidade de investimento das empresas nacionais e reduz drasticamente a renda das famílias. “Com a alta da Selic, por exemplo, em 2015 o governo brasileiro pagou R$ 397 milhões em juros. Um ano antes, foram R$ 251 milhões”, diz Dowbor.

Para o presidente da Fenastc, Amauri Perusso, os muitos milhões de reais desviados dos cofres públicos e já apontados por operações como a Lava Jato são pequenos perto do que pode estar ocorrendo de ganhos ilícitos pagos por governos em juros ao sistema financeiro.

O economista

Ladislau Dowbor é formado em Economia Política pela Universidade de Lausanne, Suíça, e doutor em Ciências Econômicas pela Escola Central de Planejamento e Estatística de Varsóvia, Polônia. Atualmente, é professor no departamento de pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, nas áreas de Economia e Administração, e trabalha com consultoria para agências das Nações Unidas (ONU), governos e municípios.

É autor e coautor de cerca de 40 livros, sendo o mais recente deles, lançado neste ano, A era do capital improdutivo. Entre outras obras, escreveu O que é capital, Formação do capitalismo no Brasil, Os estranhos caminhos do dinheiro, O pão nosso de cada dia: os processos produtivos no Brasil e Juros extorsivos no Brasil: como o brasileiro perdeu o poder de compra.

O seminário – XXVII Congresso da Fenastc

Palestra de abertura de Ladislau Dowbor, aberta ao público e com entrada franca, no dia 30/11, a partir das 9h30min, na sede do TCE-RS (Sete de Setembro, 388, na Capital). Informações: ceape@ceapetce.org.br.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!