Dívida Pública Federal cresce 0,22% e fecha outubro em R$ 3,438 trilhões, diz Tesouro – Jornal do Comércio

O estoque da dívida pública federal (DPF) subiu 0,22% em outubro, quando atingiu R$ 3,438 trilhões. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira, 27, pelo Tesouro Nacional. Em setembro, o estoque estava em R$ 3,430 trilhões.

A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 30,97 bilhões em outubro. Já as emissões de papéis totalizaram R$ 66,593 bilhões, enquanto os resgates chegaram a R$ 89,924 bilhões, resultando em resgate líquido de R$ 23,33 bilhões.

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) caiu 0,02% e fechou o mês passado em R$ 3,311 trilhões.

Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 6,88% maior, somando R$ 127,07 bilhões no décimo mês do ano.

A parcela da DPF a vencer em 12 meses caiu de 17,22% em setembro para 16,99% em outubro, segundo o Tesouro Nacional. O prazo médio da dívida subiu de 4,34 anos em setembro para 4,37 anos no mês passado. O custo médio acumulado em 12 meses da DPF passou de 10,47 % ao ano em setembro para 10,59% ao ano em outubro.

A parcela de títulos prefixados na DPF caiu de 35,66% em setembro para 34,62% em outubro. Já os papéis atrelados à Selic aumentaram a fatia, de 31,07% para 31,60%.

Os títulos remunerados pela inflação subiram para 29,97% do estoque da DPF em outubro, ante 29,69% em setembro. Os papéis cambiais elevaram a participação na DPF de 3,58% para 3,81%.

Todos os papéis estão dentro das metas do Plano Anual de Financiamento (PAF) para este ano. O intervalo do objetivo perseguido pelo Tesouro para os títulos prefixados em 2017 é de 32% a 36%, enquanto os papéis remunerados pela Selic devem ficar de 29% a 33%. No caso dos que têm índices de preço como referência, a meta também é de 29% a 33% e, no de câmbio, de 3% a 7%.

Os estrangeiros aumentaram a aquisição de títulos do Tesouro Nacional em outubro. A participação dos investidores não residentes no Brasil no estoque da DPMFi subiu de 12,57% em setembro para 12,78% no mês passado, somando R$ 423,23 bilhões, segundo os dados divulgados pelo Tesouro Nacional. Em setembro, o estoque nas mãos de estrangeiros estava em R$ 416,33 bilhões.

Os fundos de investimentos aumentaram a fatia de 25,05% para 25,96% e voltaram a ser os maiores detentores de títulos do Tesouro, ultrapassando o grupo previdência, cuja participação passou de 25,20% em setembro para 25,37% no mês passado.

A parcela das instituições financeiras no estoque da DPMFi teve queda de 22,26% em setembro para 21,50% em outubro. Já as seguradores tiveram recuo na participação de 4,65% para 4,03%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!