Sem fôlego, Ibovespa recua 0,13% em sua 4ª baixa consecutiva – Jornal do Comércio

O Índice Bovespa reduziu o ritmo de queda no período da tarde, mas não teve fôlego para evitar sua quarta queda consecutiva nesta segunda-feira (27), em mais um pregão de liquidez reduzida. Guiado por influências negativas do exterior e pelas expectativas em torno da reforma da Previdência, o índice chegou a cair 1,35% pela manhã, mas fechou com baixa de 0,13%, aos 74.058,91 pontos. O volume de negócios somou R$ 7,5 bilhões.

As principais quedas ao longo do dia foram representadas por ações dos setores financeiro e de commodities, estas bastante alinhadas à desvalorização do petróleo e do minério de ferro no mercado internacional. Os papéis da Petrobras terminaram o dia com perdas de 1,39% (ON) e 1,43% (PN), enquanto Vale ON recuou 1,06%.

No caso dos bancos, houve maior volatilidade, uma vez que os papéis continuam a ser alvos de realização de lucros, ao mesmo tempo em que se mostram mais sensíveis ao noticiário político e econômico. Itaú Unibanco PN subiu 0,61%, enquanto Banco do Brasil ON recuou 1,35%.

Na semana considerada decisiva para o governo alinhavar o apoio à reforma da Previdência, o noticiário partidário acabou por ganhar maior relevância. As movimentações do PSDB foram acompanhadas de perto e acabaram por gerar efeitos positivos no mercado, segundo analistas, por sinalizar maior chance de unir o partido e por fortalecer a figura do governador paulista, Geraldo Alckmin. O senador Tasso Jereissati e o governador de Goiás, Marconi Perillo, desistiram da disputa à presidência do PSDB e os tucanos passaram a apoiar Alckmin para presidir a legenda. Durante evento em São Paulo, o governador, que tem interesse em disputar a Presidência da República, disse que, se eleito, pretende privatizar a maior parte das 150 estatais federais, o que agradou ao mercado.

“O mercado melhorou como um todo à tarde, fruto do acordo entre os membros do PSDB e expectativa de que ainda é possível haver votação da Previdência na primeira semana de dezembro. Alckmin falando de privatização das empresas estatais também ajudou a fazer preço”, disse um analista.

Sem novidades concretas no que diz respeito à votação da reforma da Previdência, a cautela acabou por prevalecer nos negócios com ações. Para Mário Mariante, chefe de análise da Planner, o mercado tem em conta que, se a reforma passar, será algo simbólico, com efeito praticamente nulo sobre aquilo que precisa ser feito. Por isso, para muitos investidores, diz ele, a bolsa brasileira “já deu o que tinha que dar”. Isso explicaria a fraqueza do índice nas últimas semanas.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!