Indefinições sobre reforma e exterior contribuem para volatilidade, diz Tesouro – Jornal do Comércio

O mês de outubro foi mais “desafiador” para a gestão dos títulos públicos do que setembro, segundo informou o coordenador-geral de operações da Dívida Pública, Leandro Secunho. Para ele, as indefinições sobre o cenário externo e sobre a reforma da Previdência trouxeram volatilidade ao mercado, mas não chegaram a impactar o resultado no mês, que ele classificou como positivo.

“Outubro foi um mês com aumento nos juros e pouca liquidez no mercado secundário. Foi um mês com certa volatilidade, mas longe do que o ocorreu em maio”, afirmou Secunho. “O Tesouro teve certa flexibilidade nas emissões, mas não precisou cancelar nenhum leilão. Foi um gerenciamento fino, no sentido de fazer leilões que não aumentassem a volatilidade do mercado”, completou.

No mês passado, houve um resgate líquido de R$ 23,33 bilhões. Secunho disse ainda que outubro foi o último mês com vencimentos relevantes de títulos. “A tendência era de uma emissão maior em outubro, mas o resultado ficou em linha com setembro por conta dessa volatilidade”, acrescentou.

O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) encerrou outubro em R$ 3,438 trilhões. O Plano Anual de Financiamento (PAF) prevê que a dívida encerre o ano acima de R$ 3,450 trilhões. “Vamos encerrar o ano dentro com todos os indicadores dentro dos limites do PAF”, afirmou.

Segundo ele, a parcela pré-fixada do estoque da dívida – que está em 34,62% – deve crescer até o fim do ano e se aproximar de teto do PA de 36%. Para Secunho, esse movimento é positivo. “Tem havido demanda no mercado por títulos pré-fixados, que é o que o Tesouro deseja”, avaliou. “Além disso, o aumento de taxas de juros em outubro gerou oportunidade de entrada para estrangeiros”, completou.

Secunho também destacou a emissão em 3 de outubro de US$ 3 bilhões em um novo título, o Global 2028. No período, o Tesouro também desembolsou US$ 2 bilhões para a recompra de papéis mais curtos da dívida externa.

“Emitimos R$ 9,47 bilhões da DPFe em outubro, sendo a maior parte do Global 2028, e foram recomprados R$ 7,19 bilhões de títulos da DPFe em outubro”, detalhou. “A lógica da operação era emitir título novo com volume e liquidez adequado. “Aproveitamos a operação para comprar títulos mais antigos e de taxa de juros elevadas”, completou.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!