Especulação sobre Previdência leva Ibovespa de volta aos 72 mil pontos – Valor

SÃO PAULO  –  As especulações do mercado em torno da reforma da Previdência voltaram a causar nervosismo entre os investidores e levaram o Ibovespa a voltar aos 72 mil pontos. Com a proximidade do prazo desejado pelo governo e pelo Congresso para aprovar a pauta — semana que vem –, o receio de que o governo não consiga os votos necess[ários para a aprovação do projeto tomou conta dos investidores, que adotaramuma postura defensiva. Além da falta de manifestações firmes de apoio à reforma, pesaram sobre os negócios algumas declarações sobre um possível adiamento da votação para o próximo ano.

O Ibovespa fechou hoje em queda de 1,94%, aos 72.700 pontos, patamar mínimo do dia. O giro financeiro foi de R$ 7,6 bilhões. O movimento leva o Ibovespa a caminhar para o pior desempenho mensal desde maio, quando caiu 4,12% — no acumulado de novembro até hoje, a queda é de 2,16%.

O noticiário do exterior foi o primeiro a limitar os ganhos durante a manhã. A primeira revisão do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos no terceiro trimestre apontou uma leitura trimestral mais forte em três anos, um resultado me linha com a expectativa.

Logo perto da divulgação do dado americano, o Ibovespa chegou a zerar os leves ganhos registrados, mas a piora veio principalmente durante a tarde, com o noticiário político ainda visto como difuso pelo investidor. Apesar dos esforços do governo e das sinalizações de que a reforma ainda tem condições de avançar, a ausência de um panorama mais claro continua provocando a tentativa de precificação de um atraso da pauta.

Ontem, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), havia mostrado animação com a possibilidade de aprovação da reforma, mesmo sem o número suficiente de votos na casa, segundo uma fonte que participou de encontro do parlamentar com representantes do mercado hoje.

Durante a tarde de hoje, porém, a dificuldade de vislumbrar com clareza o quanto desse otimismo pode se reverter num cenário favorável voltou a dominar os negócios. O líder do PSD na Câmara, deputado Marcos Montes (MG), reconheceu que nem metade dos integrantes da bancada do partido está disposta a votar pela aprovação.

Já o líder do PP na Câmara, Arthur Lira (AL), afirmou que “não tem base nenhuma” a informação de que 40 dos 46 deputados do partido votarão a favor da pauta. Segundo ele, a bancada não se reuniu para discutir o assunto porque está muito cedo.

“Ainda estamos vendo articulações do governo com a pauta, mas não há votos suficientes para aprovar o tema no Congresso, então sempre fica o questionamento do investidor se todo esse movimento será suficiente para passar a reforma na semana que vem”, afirma Ari Santos, da H. Commcor.

Entre as maiores baixas, investidores buscaram se desfazer de papéis da CPFL Energia, que tem amanhã o leilão da oferta pública para aquisição de ações (OPA). O objetivo, segundo um operador, é evitar ficar com um papel que tem grandes chances de perder a liquidez depois da operação. A ação da empresa caiu 6,89%, a R$ 25,28.

Também entre as quedas estão papéis relevantes para o índice, caso da Petrobras PN (-3,22%, a R$ 15,30) e do Banco do Brasil (-4,53%, a R$ 31,16).

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!